quinta-feira, março 19, 2009

Noites excêntricas em Almada Velha

Em...Almada, mostra em duas imagens um pormenor de como ficam as ruas de Almada Velha depois de uma noite de fim de semana agitado, por bares locais.
Os moradores não têm descanso com a "invasão da noite" levada a cabo, por muitos jovens (alguns menores) que após estarem um pouco "aquecidos" por vapores etílicos e outros consumos não hidroalcoólicos, fazem tremendos disparates, vindo para fora dos bares com garrafas e copos, em exibições de consumo, fazendo barulho, importunando moradores, urinando contra as portas das habitações, partindo garrafas e deixando a via pública com este aspecto, associado a muito lixo e degradação ambiental.
Com alguma frequência, observam-se cenas desagradáveis, praticadas por jovens que têm um futuro e uma vida para viver e que em consequência do consumo descontrolado de bebidas alcoólicas ou outros consumíveis clandestinos, ficam sem autocontrolo.

Estas imagens foram captadas na manhã do dia 14 de Março último, após uma noite muito agitada com jovens que vieram assistir à exibição de uma banda musical patrocinada pela Câmara Municipal de Almada, talvez já em pré-campanha eleitoral a seduzir este eleitorado . Dizem moradores, que embora nessa manhã houvesse mais lixo, o que obrigou a CMA a reforçar a limpeza das ruas em Almada Velha, as operações especiais de limpeza de ruas naquela zona são usuais nas manhãs dos fins de semana.

O policiamento continua a ser deficiente em Almada Velha ( a CMA tarda em ceder as instalações da antiga esquadra da PSP) e isso contribui para algumas vezes o comportamento dos jovens exceder normas de boa convivência e respeito pelos moradores.
Provavelmente a presidente da Câmara lá mais para a frente, por razões eleitorais, disponibilizará as instalações à PSP para aí instalar a Divisão de Trânsito e alguns elementos.
Há muito (anos) que moradores e comerciantes se vêm queixando deste ambiente e mal estar em Almada Velha, junto da Câmara Municipal de Almada e da Polícia de Segurança Pública, sem solução à vista.
EMALMADA agradece a colaboração de cidadão.

18 comentários:

nbalike disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
nbalike disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
EMALMADA disse...

Os dois comentários anteriores foram eliminados porque eram de conteúdo comercial.

lumadian disse...

Eu vivia até há 3 dias ao lado da Academia e todas as sextas e sábados era uma vergonha até às 6h da manhã. Chegava a ser necessário a presença da policia devido a cenas de verdadeiro pugilato à saída de um bar.
Agora estou perto da casa da cerca, e tenho a sorte de estar numa rua bem calma, mas 2 ruas mais à frente e é a vergonha total, de uma juventude mal formada, mal educada, ordinária e muito porca que não sabe beber e bebe cada vez mais.
No meu tempo também se apanhavam bebedeiras, mas não se fazia o que se faz agora!

Anónimo disse...

Esses bares existem devidamente licenciados pela divisão de ruído da Fiscalização Municipal.
A CMA ao proceder ao licenciamento o não tem em consideração os munícipes.
Podem os bares funcionar até às horas que constam do licenciamento.
A partir daí compete à PSP actuar.

Nada funciona.
A CMA licencia - mal - e a PSP não actua.

Sobre a limpeza dos locais é provável que agora seja mais adequada já que a CMA adjudicou a mesma à firma VADECA.

Surpreendidos?
Eu não!

Anónimo disse...

Notóriamente, verifica-se uma modificação de comportamento por parte dos habituais frequentadores da noite de Almada Velha, é que, enquanto há uns meses atrás o frequentador podia consumir e fumar dentro do estabelecimento, com a alteração das regras, na maior parte dos estabelecimentos deixou de ser possível fumar; consequentemente a resposta é vir para a rua fazê-lo, enquanto as noites eram frias tal não se verificava com tanto impacto mas,daqui em diante estas imagens vão com certeza tornar-se numa rotina pricipalmente aos fins-de-semana. Não tem nada a ver com licenciamentos camarários ou com leis de ruído, no entanto é de lamentar que o patrulhamento adequado por parte da P.S.P. se não verifique. Mas isso já é outra história que tem muito que se lhe diga.
Oliveira

fernando sousa da pena disse...

Nada como ano de eleições para ver algumas equipas de limpeza pelas ruas.

Quanto ao resto, "the same old story"...

Há muito que a CMA se demitiu de cuidar do espaço público e ao quotidiano dos cidadãos, para se dedicar à organização de eventos. Caros. Muitas vezes inúteis. política de fachada à custa dos contribuintes.

fernando sousa da pena disse...

Nada como ano de eleições para ver algumas equipas de limpeza pelas ruas.

Quanto ao resto, "the same old story"...

Há muito que a CMA se demitiu de cuidar do espaço público e do quotidiano dos cidadãos, para se dedicar à organização de eventos. Caros. Muitas vezes inúteis. Política de fachada à custa dos contribuintes.

Anónimo disse...

Sr. Oliveira

Não tem a ver com licenciamentos? Ora essa!
Um estabelecimento, para ter porta aberta, não precisa de estar licenciado pela autarquia?
E para fazer barulho, concretamente para além das 22 horas, não tem que possuir uma licença especial de ruído, igualmente emitida pela autarquia?

Claro que sim, Sr. Oliveira.

E a questão que o senhor aponta e que tem a ver com a impossibilidade de fumar dentro dos estabelecimentos, tem algo a ver com a porcaria que os utentes deixam no exterior?
Não, Sr. Oliveira.

Não seria óbvio, com gente civilizada e mesmo partindo do princípio que a necessidade de fumar é imperiosa, que os clientes deitassem no lixo, em local adequado, os restos da sua vagabundagem?
Era sim, Sr. Oliveira.

A falta de policiamento é, como diz, outra coisa. Mas insere-se na mesma problemática.

A PSP tem legitimidade para, perante qualquer situação anómala, e fixemo-nos no excesso de barulho, exigir a licença de funcionamento do estabelecimento.
Mas não faz o que lhe compete fazer.
E quem sofre com isso? Uma esmagadora maioria que são os moradores das zonas envolventes.
Dá muito trabalho à PSP e ainda lhes tira a possibilidade de beberem um copo à conta...

Ponto Verde disse...

Tão triste como este cenário, foi, no tal concerto , a apresentação feita pelo autarca de serviço que ao querer falar como a "malta jovem" caíu num ridiculo total e foi gozado por todos...

Anónimo disse...

Quem era esse autarca?

Anónimo disse...

Chocante era preciso ver a dimensão de garrafas, copos e outros detritos que evadiam a maior parte de Almada velha. Grupos diversos de 100 ou mais individuos jovens (eles e elas) por ondem passam deixam as suas marcas com tamanho vandalismo, nada escapa, pontapés nas portas, grafitts, berros, pancadaria bebedeiras em série mas o que é isto? Onde está o governo local e a policia será que estão de costas voltadas para tamanho deboche?... A Srª Presidente autorizou os bares. Agora as ruas estão cheias de jovens menores a encaminharem para a desgraça sem que ninguem os preteja.

Anónimo disse...

Notícia publicada hoje no JORNAL DE NOTÍCIAS


Metro só permite três horas de sono
Moradores em rua próxima do centro fartos de buzinadelas e ressonância das composições nos carris
00h30m
SANDRA BRAZINHA
Os moradores da rua Lopes Mendonça, em Almada, perderam o sossego com a passagem do Metro Sul do Tejo. Queixam-se do ruído causado pelo ranger dos comboios nos carris e pelas buzinas usadas pelos maquinistas.

O barulho naquela rua próxima do centro de Almada é tal que a maioria das cerca das 125 famílias que ali residem já optou por colocar vidros duplos nas janelas. Muitas também decidiram pôr a casa à venda. "Só neste prédio estão quatro apartamentos e eu também não quero ficar aqui", referiu, ao JN, Manuel Amendoeira, salientando que já "não há a tranquilidade que existia".

Lembrando que tudo foi feito para evitar que o MST passasse naquela rua, incluindo a apresentação de um plano alternativo, o morador recorda que "durante a noite o silêncio torna o barulho ensurdecedor". "Conheço pessoas que nos primeiros tempos não foram capazes de aqui permanecer por causa do barulho", conta José Ganhão, outro morador, frisando que "o metro veio incomodar o sossego das pessoas", devido ao tocar das campainhas e ao simples passar das composições pelos carris, que se torna mais forte nas curvas existentes nas extremidades da rua.

O descanso para estes moradores dura apenas três horas, entre as 2 e as 5 horas, período em que os comboios não circulam entre Cacilhas e a Universidade, a única linha do MST - projecto que custou 390 milhões de euros - que passa pelo meio do arruamento.

Sentindo-se lesados no seu bem-estar, os moradores da Rua Lopes Mendonça apresentaram no início do ano uma queixa à Inspecção-Geral do Ambiente e Ordenamento do Território (IGAOT), que originou a realização de uma inspecção no passado dia 2 de Fevereiro.

O relatório, a que o JN teve acesso, reconhece que em alguns dos locais monitorizados os níveis de ruído ultrapassam o estabelecido por lei, mas frisa que a situação ocorre mesmo quando o metro não está a circular, devendo-se ao trânsito rodoviário.

A IGAOT conclui assim que a actividade normal do MST "cumpre os requisitos legais aplicáveis a ruído", tendo em conta que quando os limites são ultrapassados "também o são na ausência do tráfego ferroviário".

Sobre a utilização de buzinas, o documento lembra que é "obrigatório o toque da campainha dos veículos quando duas composições se cruzam, de modo que os transeuntes sejam avisados da existência de um comboio encoberto".

Estas conclusões não satisfazem os moradores, que enviaram ontem uma carta a contestar o relatório. "A resposta não é correcta. Não é a realidade. Eu gostava era de ver os resultados da monitorização", afirmou, ao JN, Vítor Costa, que encabeçou a reclamação apresentada à IGAOT. "Eu já aqui moro há 20 anos e sei bem o barulho que faziam os carros. O metro faz muito mais", garante, dizendo preferir ter duas faixas de trânsito automóvel em cada sentido do que o MST.

A concessionária Metro Transportes do Sul (MTS) assegura, por seu lado, que está a cumprir a Declaração de Impacto Ambiental, embora lamente o incómodo provocado pelo ruído criado pela passagem dos comboios naquela rua.

"É legítimo que se possam incomodar. É uma rua relativamente estreita em que há uma proximidade grande entre a via e as fachadas das casas", declara o presidente da MTS, José Luís Brandão, revelando, porém, que "não há muito a fazer".

Anónimo disse...

Se é obrigatório apitar quando duas composições se cruzam, já assisti a algumas irregularidades. Isto é, não apitam.
Os apitos servem, digo eu, para que os maquinistas se cumprimentem.

Afinal parece que há jornais que falam de Almada.
Mas, curiosamente, nunca vi um anúncio (publicidade) no JN.
Ou é impressão minha?

Anónimo disse...

Quem era o autarca?
Provavelmente o que tem o pelouro da juventude.
Se assim foi, coloca-se em cena o António Matos.
Certo?

100smog lda. disse...

Há que salientar uma coisa, os bares existentes não possuem infraestruturas para exercer a sua actividade por isso deveriam fechar, não possuem extracção de fumos nem muito menos isolamento acustico que premita o barulho no seu interior, o problmea está é deixar exercer actividade de espaços que não possuem condições e so chamos gente de baixo nivel para almada velha. Temos o contraponto de um ou outro espaço que possuem esses equipamento e o nivel de civismo é diferente mesmo do frequentadores. A camara e a autoridade deve fiscalizar esses locais de baixo nivel e FECAR AS PORTAS. Até porque comercio e actividade nocturna saudavel é importante para a continuidade da premanencia da joventude saudavel na cidade, não esses espaços que existem há mais de uma decada sem fazer obras de valorização, não é so cosmetica têm de investir nas infraestruturas e principalmente os donos desses espaços que deixam o lixo nas ruas irem ao final da noite limpar!!!! Essa zona de almada velha onde se encontra do pior de almada em termos de juventude que nãO INTERESSA PARA NADA. folgo a intenção de outros espaços em apostar em noites diferentes que chamam pessoas diferentes e educadas para almada numa altura em que toda a gente quer sair deste poço!

Anónimo disse...

comercio nocturno é importante, bares, discos, lojas etc, mas nas devidas condicoes e q chama clientes de nivel e qualidade não é aquela toscaria ao pe do calhambeque e outros bares q é so degredo e sempre foi, quem vive em almada diz q sempre foi assim, vandalos e vagabundos... la vão existindo alguns novos espaços q se esforçam em puxar gente de nivel para almada oferecendo uma noite diferente!!!

Anónimo disse...

Já que a Nossa Senhora de Fátima cá vem (com o que eu concordo, pois dá movimento á cidade),esperemos que a MILITA nãe esqueça de pedir PERDÂO por ter ESTRANGULADO a ÙNICA AVENIDA que Almada tinha, só para ter um PRÈMIO na mão. Quem lho deu não sabe que os gazes nas outras pequenas ruas triplicaram e que para ELA ter esse PRÈMIO temos a classe dos COMERCIANTES DESTRUIDA, e consequentemente ALMADA MORTA.SR PRESIDENTE PEÇA PERDÃO PELO TEMPO QUE ESTÁ A LEVAR A RECONHECER QUE ESTA AVENIDA CORTADA ESTRANGULOU TODA A CIDADE.Peça tambem por ter criado a ECALMA que multa todos os visitantes a €60. Não tenha vergonha de mostrar que reconhece que errou, a Nossa Senhora PERDOA_LHE porque ELA sabe que não foi de PROPÒSITO. O Indignado