quinta-feira, abril 10, 2008

Hamburgo - E o seu METROBUS

Em...Almada, é o futuro. Em outras cidades da Europa é talvez o passado esclerosante na boca dos "profetas do progresso" de Almada. É a morte prevista e “não anunciada” da actividade comercial e da vida no centro dessas cidades da Europa, por não terem “um meio de transporte moderno, muito confortável, rápido, eficiente e amigo do ambiente” como a cidade de Almada, que está “do lado certo” vai ter, como dizem os autarcas e também alguns "políticos" e governantes.
As cidades do norte e do centro da Europa ainda não se aperceberam que estão a caminhar para um triste fim, para a "desgraça ambiental"! Deviam ver o exemplo de Almada, cidade de Abril, gerida por um competente poder autárquico democrático, nascido com o 25 de Abril para servir o povo, populações eternamente carenciadas e mantidas nessa situação, através de um isco chamado "subsídios", por uma administração incompetente que ruma em direcção a um futuro que chegará com um comboio protótipo, "exemplar" para toda a Europa e resto do mundo, pela originalidade da sua implantação, não servindo as zonas mais necessitadas. Hamburgo tem um metro subterrâneo no centro da cidade mas os transportes públicos não constituem monopólio nem há mono oferta tipificada . À superfície e nas zonas que são servidas pelo metro subterrâneo, existe um “metrobus” que é uma rede de transportes constituída por autocarros, uns pequenos, outros grandes que servem a cidade. É um meio de transporte “moderno, muito confortável, rápido, eficiente e amigo do ambiente”, convivendo com o restante tráfego, passando por ruas e avenidas de intensa actividade comercial, económica e de serviços e, com muita gente circulando.
Existem também os “Schnellbus”, autocarros expresso, rápidos, com determinados horários. Oferta não falta aqui, onde a democracia provavelmente está "mais atrasada" que em Almada, por esta cidade-estado alemã não possuir um genuíno e exemplar poder autárquico democrático de Abril.
clique sobre as fotos para aumentar
O metrobus, à esquerda na foto e o Schnellbus à direita.

O metrobus. Aumente-se a foto seguinte para ler no indicador do destino a designação do meio de transporte.

O “metrobus” circula com bastante frequência. A oferta é grande e nessas ruas ou avenidas pode-se circular também de bicicleta, havendo parqueamentos e ainda passeios largos para transeuntes e, locais próprios para as paragens dos autocarros “metrobus” e "schnellbus" onde as paragens têm os horários previsíveis de chegada, visíveis, semelhante às paragens do comboio MST (o TGV de Almada).
Alguma coisa vieram copiar a Almada! Via de circulação, passeios largos, zona de estacionamento dos autocarros e parque para bicicletas: "Metrobus" nas paragens : Não há espaços canais, nem passagens privilegiadas de comboios à superficie para atrapalhar a vida da cidade e as pessoas: Espaço para todos, sem carris atrofiadores da mobilidade e acessibilidades:
Nesta foto vê-se ao fundo o edifício da Câmara Municipal, onde funciona o Governo e o Parlamento desta cidade-estado. O Chefe do Governo é o Presidente da Câmara.
Em tempo na cidade de Almada, um comerciante apresentou proposta num debate sobre o MST, para que o metro só fosse implantado a partir da Estação do Pragal, para Charneca de Caparica, Costa de Caparica, Corroios e periferia da cidade de Almada. Dentro de Almada deveriam circular autocarros movidos a energia eléctrica ou a GPL.
Assim servir-se-iam as zonas periféricas mais densamente povoadas, com o metro de superfície e evitar-se-ia o despovoamente, a destruição e "morte" de Almada com as vias férreas de um comboio implantado no centro do principal eixo viário da cidade.
Esqueceu-se esse comerciante que Almada não é dos almadenses, mas de quem tomou conta da Câmara.
Almada é uma coutada para os actuais autarcas.

10 comentários:

Anónimo disse...

Quem fez a proposta dos autocarros para Almada e o metro de superfície partindo da Estação do comboio do Pragal, como "HUB",onde também iam os autocarros de Almada, foi um grande comerciante da Av. Nuno Álvares Pereira, quando da discussão pública sobre o MST na Incrivel Almadense, antes de as obras começarem.
Os inteligentes recusaram esta proposta porque lhes estragava o negócio de 13,5 Km de linha por muitos milhões que estava a ser delineado.

Anónimo disse...

Quando afirmei que Portugal não é a Alemanha nem Almada é Hamburgo, o que quis dizer é que não podemos comparar um país que é bem organizado com um que é o vale-tudo e o salve-se quem puder, nem uma cidade modelo onde os cidadãos fazem valer os seus dereitos, com uma cidade como Almada onde a maioria dos cidadãos se demitem dos seus direitos e o executivo municipal nem quer ouvir falar em cidadania a não ser quando faz uso demagógico desse termo.

Não há cidades nem países perfeitos, mas há uns melhores que os outros. E tudo começa em nós cidadãos, mas apenas se quisermos e fizermos por isso.

Sotnas

Anónimo disse...

Estes alemães são um perigo!!!
Andam por aí a copiar, é o que é.
Querem, a toda a força, ser como os almadenses.
Bolas, isso não se faz.
Ao ver as fotos, até me pareceu estar a ver Almada.
Grande, espaçosa, limpa. Enfim, fiz confusão.
Tal como esta cidade e este concelho que crescem a olhos vistos e onde os trabalhos (obras incluídas) se fazem na maior das calmas, sem quaisquer prejuizos.
Ainda por cima, ficamos com a certeza de que vamos ficar com uma cidade europeia - da Europa, mesmo - tal como esses imitadores de Hamburgo.
Senhora MES, ainda bem que existe.
Graças a si e aos seus pares, os alemães evoluiram décadas. Aprenderam e veja só como eles estão que nem nós...

Ai ai, parece que estou a ouvir as gentes de Hamburgo a dizer: "se Almada não existisse o que seria de nós?"

Anónimo disse...

Passo sempre aqui quando me apetece rir um pouco..
VocÊs esmeram-se mesmo, inventam cada uma ahahahha..
Continuem o bom trabalho de melhor blog humoristico.

vitorino disse...

Assuntos sérios e honestos só as peças teatrais de gestão autárquica com produção, realização, encenação e representação da Câmara Municipal de Almada, tal qual meter uma estrada na Mata dos Medos.

Ponto Verde disse...

Corrosiva a ironia do seu artigo, mas penso que eles não atinjam e pensem até que estão de facto a ser elogiados.

Peço desculpa , e compreendo que retire o comentário, mas é que hoje apetece-me partir a loiça :

Os nossos autarcas não sabem o que é a Europa , pensam só que é uma caixa multibanco , ou o Génio da Bola , para onde emitem uns desejos e sai de lá uns milhões de euros para gastar não sabem muito bem como.

Quando vão de férias ou em deslocações, "de geminação" parece que nunca foram para aprender , as "curvas" do Nordeste ou de Cuba são outras e pouco se aprende em Cabo Verde ou noutro qualquer PALOP!

(Afinal contive-me , eu que ia dizer que quando saem do País é para ír ás P... e não para ver como as coisas funcionam )

Anónimo disse...

Achei piada ao comentário do ponto verde.
Não porque o considere uma piada - muito menos de mau gosto - mas porque achei graça.
E concordo com o seu ponto de vista.
Permita-me que acrescente algo.
Eles devem ir às p...
E elas?
Cuidado coma resposta pois não é tão linear como parece.

Saudações do Zé Carioca

Anónimo disse...

Se a comparação de Almada com Hamburgo pode parecer algo longínqua, proponho uma comparação mais perto da porta.
Estive em Madrid na passada semana e, conquanto conheça bem a cidade, tomei conhecimento de algo de que não sabia da existência: o MetroSur.
Este é a linha 12 do Metro do Madrid (actualmente o segundo maior da Europa em comprimento e em número de estações, depois do de Londres).
O MetroSur é uma linha circular com 28 estações e que serve alguns dos municípios mais populosos da Região Metropolitana de Madrid Sul: Alcorcón, Móstoles, Fuenlabrada, Getafe e Leganés. No total estes cinco municípios possuem cerca de 1 milhão de habitantes.
A linha é inteiramente subterrânea e as estações são bastante agradáveis e funcionais. Liga à rede de metro principal, nomeadamente à estação da Puerta de Sol e também aos comboios suburbanos chamados em Madrid trens de cercanías.
Parece-me um bom exemplo a seguir.
Mas, Madrid não é Lisboa.
Lá, a Comunidad de Madrid tem o pelouro de muitas áreas, como a saúde e a educação. E também os transportes. O governo central, apesar de ter sede em Madrid, não decide o que lá se faz ou deixa de fazer. Quem decide é cada município e a Comunidad. Aqui tudo o que se faz tem de ter o agreement do governo central.
Lá, a área metropolitana serve para alguma coisa. Aqui para que serve a existência da área metropolitana de Lisboa ?
Lá, apesar de nem tudo ser perfeito, parece que os autarcas trabalham para servir os munícipes, aqui trabalham para si, para a sua imagem ou quando muito para o partido.
Enfim, mesmo aqui ao lado podemos encontrar bons exemplos a seguir. Infelizmente, os nossos governantes são cegos e surdos,obviamente por conveniência. Por isso, Espanha apesar de todos os seus problemas, avança e nós por cá marcamos passo.

Sotnas

Anónimo disse...

Os "boys" da Emilia e da Câmara não devem ter apreciado estas imagens nem este exemplo como se gere os transportes públicos numa cidade.
Têm mais interesse nos rendimentos do clã e no segurar do poderzinho.

Anónimo disse...

Eles, os "boys", andam todos de cabeça baixa.
Algo se passa.