sábado, fevereiro 23, 2008

A "Boa" Gestão Municipal e Propaganda Eleitoral

Em...Almada, a caça ao voto inclui também a cedência de património religioso-cultural da população, a privados, à Paróquia da Cova da Piedade ( Obra Social Pe Ricardo Gameiro ?) para "fins sociais", da Capela da Ramalha e terrenos anexos, pela Câmara Municipal de Almada, aprovada em Assembleia Municipal.
clique na imagem para aumentar
A CMA nunca fez obras na Capela da Ramalha (sua propriedade-dos almadenses), votou-a a abandono e desleixo, acabando agora por cedê-la, para caça ao voto dissimulado, na versão que é para servir socialmente a população local.
Perguntamos a que preço e que critérios serão usados para a população aceder a taís benefícios, uma vez que o acesso a outra instituição social na área é bem difícil para a generalidade da população carente e idosa que não têm meios razoáveis de subsistência, segundo consta no concelho.
O muro que se vê na imagem à esquerda junto da Capela, não foi mostrado na maquete da "Obra Social/CMA" publicada no Boletim Municipal.
Será mais uma alteração de conveniência, tipo CMA-MTS de última hora, com proveito para a "Obra Social"?
Entretanto a doação já deve ter entrado na contabilidade municipal dos votos a caçar, oriundos de fiéis daquilo que os comunistas dizem que é o ópio do povo, a ser feita nas vésperas das próximas eleições autárquicas.

15 comentários:

José Mendonça disse...

Não admira,pudera!Esta dádiva de Mª Emília serve para se vêr livre das obras que teria de executar na capela. Assim passa a batata quente para o padre, que coitado terá ele que desembolsar o custo dos respectivos trabalhos.Desta forma qualquer um é benemérito.
Esta mulher é muito esperta. Esperteza saloia!
O tiro ainda lhe vai sair pela culatra quando fôr feita uma sindicância aos seus serviços.
Anda a preparar a sua saída (pensa livrar-se) para se instalar nas chefias do MST.
Não acreditam? Esperem para vêr!
Não é por acaso que se facilita a vida a empreiteiros e ao MST.
Isto tem que dar dividendos e não é para a população com certeza.
Já acreditei no PCP, mas em comunistas destes,jamais votarei!

Anónimo disse...

Pior!
Ofereceu a capela, espaço em redor e subsídio para sei lá o quê.
E o outro, o oportunista Ricardo (padre por acaso) não tarda vai dizer à senhora presidente que precisa de mais uns cobres para qualquer coisa.

O homem é tão oportunista que em terrenos que lhe foram dados pela autarquia construiu um centro de dia - Rua Ramiro Ferrão - as obras e os materiais foram subsidiadas e, quando alguém precisa de ser lá colocado, cobra a preços do mercado de luxo.

Quem é que pode aturar gente desta?
Os fiéis e os parvos.
Coma o apoio tácito da dona Emília.

Pedro Lopes, o verdadeiro.

aviador disse...

È o habitual!

E o mesmo vai acontecer à capela do Largo dos Espatários junto ao Pancão.

Sempre foi do povo/autarquia e agora vai dá-la À Igreja.

Por sinal nunca mais está pronta.Parecem as obras de SanTA Engrácia.
Ou então está à espera da´vésperadas autárquicas!

È uma esperta, esta senhora!

Anónimo disse...

Parece que todos estamos de acordo com uma coisa: esta senhora não pode nem deve ser subestimada, foi uma aprendiz de primeira na boa escola do PCP. Sabe como ninguém tirar partido de tudo e de todos: igreja, associações culturais e desportivas, etc, para se manter no poder. Mas, não é indestrutível, assim nós cidadãos saibamos denunciar todo o mal que ela tem feito a Almada.

Sotnas

Anónimo disse...

Não consigo entender porquê que é sempre o Padre Ricardo a receber? há outros padres espalhados pelas diversas paróquias do concelho...serão estes menos espertos?

Anónimo disse...

A Srª Presidente não tem procedido bem nestes últimos tempos. Muita coisa está mal neste Concelho, mas também é verdade que há obra feita.
Quer se queira quer não temos salas de espectáculos, pavilhões desportivos, bibliotecas....
Da forma como a Srª presidente conduz a sua politica de urbanismo é que já não se pode dizer o mesmo...no entanto estou em crer que outros, se que cá estivessem no poder, faziam a mesma coisa ou pior, há exemplos disso por todo o país. O Valentim Loureiro foi presidente da Câmara de Gondomar e fez muita patifaria, mas as pessoas gostavam dele. Hoje é aquilo que se vê e continua a passar impune neste país. Isto do poder autárquico já está acima dos partidos, trata-se mesmo é do carácter das pessoas que governam esta Terra.
Há que denunciar o mal mas saber reconhecer o bem. Não é um exercicio fácil, mas deixo aqui o desafio...será que todos nós que escrevemos a apontar os males podemos dizer também as coisas boas que conquistámos ao longo destes anos com esta Presidente?

Anónimo disse...

Estou de acordo com o último anónimo, aliás já tenho defendido isso mesmo aqui. Acontece que quando avaliamos o trabalho de um executivo autárquico ou do país, obviamente que não podemos estar de acordo com tudo o que é feito. Assim, creio que o método a aplicar é o da avaliação da relação positivo/negativo ou prós e contras como lhe queiram chamar. O que acontece com MES é que, se no passado fez algum trabalho, sobretudo nas áreas que lhe são caras – educação, cultura e deporto – também é verdade que durante todos estes anos deixou desprezadas áreas como o urbanismo, a limpeza pública, a requalificação urbana, os espaços verdes, etc. Assim, actualmente pondo nos pratos da balança os prós e os contras, estes últimos pensam, na minha opinião, muito mais. Portanto, está na altura, de a senhora sair e dar lugar a quem faça o que ela não fez durante 2 décadas. O problema é que ela está agarrada ao poder: este, como todos nós sabemos, exerce sobre as pessoas um tal fascínio que poucos são os que sabem abandoná-lo de moto próprio. E MES ainda não percebeu, se é que alguma vez vai perceber, que está mais que na altura de dar o lugar a outros.
Na actualidade, MES é um mal para o concelho. Quanto a sabermos se quem virá a seguir será melhor ou pior, é óbvio, que só o saberemos quando os almadenses tiverem coragem de optarem por uma alternativa. Enquanto tal não suceder, nunca poderemos saber, pois não temos, desde o 25 de Abril, termo de comparação.O que torna Almada um case-study pelos piores motivos.
Sotnas

Anónimo disse...

A Câmara de Almada reiterou hoje a sua decisão de não afectar terrenos públicos para que a REN (Redes Energéticas Nacionais) instale uma linha de muito alta tensão.
Ainda bem que assim é, os terrenos são do Município e a Câmara tem batido o pé e levado a sua avante. Penso que esta decisão foi tomada por unanimidade nas Assembleias Municipais (corrijam-me se estiver errado)e um exemplo a seguir. Desta vez as contrapartidas que a REN quis, eventualmente, oferecer à Câmara não foram levadas em conta.
Esta medida mostra que nem sempre a Maria Emilia põe os interesses dela à frente dos interesses dos Almadenses.
Lis

Anónimo disse...

Último anónimo
Sabe quais as contrapartidas que a REN queria oferecer à autarquia?
Nenhuma!
Por isso, MES não tinha alternativa. Escolheu, com o apoio da Assembleia Municipal, a opção de não afectar os terrenos públicos (nossos).
Ao contrário do que o meu amigo diz, ainda não foi desta que MES demonstrou não colocar os seus interesses à frente dos almadenses.

Pedro Lopes, o outro.

Anónimo disse...

Em relaçâo à REN, MESousa está a fazer o que é politicamente correcto, isto é, eleitoralmente mais rentável. Não esquecer que só após muitas críticas dos almadenses directamente afectados pela colocação do cabos para as linhas de muito alta tensão, MESousa se resolveu a actuar. Mas não foi por bondade, foi por eleitoralismo.

Sotnas

Anónimo disse...

Esta metodologia, embora velha, parece que continua a dar resultados...
Já foi seguida junto dos Moradores da Ramalha...
Com estas "posturas" do politicamente correcto é que se ganham votos e as elições autárquicas estão aí à porta...
Com papas e bolos se enganam os tolos.

caparicano disse...

Lendo todos os comentários deste post há perguntas a fazer dirigidas aos senhores que dizem ser da oposição em Almada.
O que querem para Almada?
Querem continuar a colaborar com esta Câmara Municipal?
Têm consciência do que é ser oposição?
Vão continuar a ser nem carne, nem peixe, nem oposição?

A continuarem a ser como são, serão sempre os maiores apoiantes e cúmplices desta errada gestão que domina o concelho de Almada

Anónimo disse...

Nem todos os cidadãos que intervêm neste blog e que legitimamente fazem perguntas, pertenceram, pertencem, ou pretendem pertencer a um qualquer partido político...
Este facto não lhes retira a legitimidade de questionarem quem quer que seja, "políticos profissionais" incluídos, relativamente a esta ou àquela decisão que possa ter sido tomada em cima dos joelhos.
A implementação do M.S.T. no coração da cidade de Almada, com especial relevo para a zona do Triângulo da Ramalha, é um bom exemplo daquilo que não deveria ser feito e que, obviamente, não merece o acordo de muitos cidadãos independentemente de militarem ou não em qualquer partido político...
Será que os cidadãos anónimos não podem questionar o "poder instituido", sem nunca pretenderem ser oposição?

Anónimo disse...

Último anónimo,
Não confunda oposição de cidadania com oposição partidária. Por exemplo, quem não tem filiação partidária mas não gosta do trabalho feito pela CMAlmada, é obviamente um opositor, sem que para tal tenha de ser opositor partidário. Oposição não tem quer ter obrigatoriamente cor política. Aliás, aqui em Almada se estivermos à espera da oposição partidária ao executivo camarário bem podemos todos morrer à espera que MES vá à sua vida.

Sotnas

Anónimo disse...

Soy español y hace un año que vivo en esta, ciudad? por eso disculpen que escriba en mi idioma.

Que pena que las personas que aquí viven no quieran ver en el estado tan lamentable y el desleixo en que los poderes de esta cámara mantienen a esta población.

En mi país también se hicieron grandes centros comerciales, pero para minimizar el daño que estos iban a causar al resto del comercio y para que el centro no perdiese su caracter aglutinador de la población, se arreglaron las calles, los paseos, se crearon infraestructuras para que los coches pudiesen estacionar, se dieron subvenciones a coste cero para arreglar edificios, los servicios municipalizados y otros nunca salieron del centro, los mercados municipales se cuidaron y ampliaron, se potenciaron los mercados al aire libre y en las plazas, cuando el clima lo permite, siempre hay actuaciones y lo que es mas importante, se ayudó económicamente a la juventud para ocupar las casas.

Por todo ello el centro de las ciudades está lleno de vida.

Todas estas mejoras las relizaron las cámaras y desde luego los comerciantes vistas la inversión y el esfuerzo por inercia también inviertieron y se renovaron, en muchos casos con subvenciones o exenciones fiscales que tambien concedieron las cámaras.

Ah! Otra cosa muy curiosa es que se ve a los presidentes-as y vereadores de las cámaras en comercios, en mercados o simplemente paseando por la ciudad.

Es muy triste invitar a venir a amigos a pasar unos días a esta ciudad? y comentarte que no volverán, ya que aquí, si no es Lisboa no hay nada que hacer.

No hablamos del lixo en la calle, allí las calles se limpian y riegan todos los días del año, aqui en la que yo vivo llevan tres semanas sin limpiar.

Las calles se alquitranan todos los años, no todas, pero cada cuatro años han arreglado toda la ciudad.

Aquí una persona llega a calcilhas y no hay un punto de información para el turista, ni indicaciones de dónde están los museos de la ciudad, no hay pensiones ni hoteles, si quieres coger un autobús en las paradas no están indicados los itinerarios, etc

Señores, perdonen, la cámara de Almada les tiene abandonados hace muchos años y es el partido el que lleva desde el 25 de abril en el poder, por tanto es el único responsable. El problema es que ahora también me tiene abandonado a mi, pagando mas impuestos y mas caros que en España sin a cambio tener servicios.

Y... lo peor de todo es que el pueblo tiene miedo a hablar y la señora presidenta a salir a la calle, muy triste.

Con lo bonito que es el comunismo bien entendido!

Acorden!!!!