terça-feira, junho 03, 2008

Incoerência e Oportunismo

Em...Almada, viu publicado este anúncio no "Notícias de Almada" de 30MAIO2008, através do qual a Junta de Freguesia de Caparica pretende recrutar um trabalhador «a termo resolutivo certo, por um ano, não estando sujeito a renovação automática».
clique sobre a imagem para aumentar e ler
A Junta de Freguesia de Caparica é da mesma cor política da Câmara Municipal de Almada, a qual é de um Partido que em manifestações de rua se insurge contra os contratos a prazo, a precaridade de emprego e contra os capitalistas que por esta via exploram a mão de obra dos operários, mantendo-os sob o espectro de trabalho a prazo, abalando a estabilidade social dos trabalhadores.
A Junta de Freguesia de Caparica e a Câmara Municipal de Almada também já o fez, estão a usarem-se de uma fórmula de contrato, prejudicial aos trabalhadores, que o seu Partido tanto critica e a dar um mau exemplo.
Será que por serem eles a fazer o contrato já é correcto ou também são capitalistas, disfarçados, alinhados com a globalização e os grandes grupos económicos?
Bem pregava Frei Tomáz....

13 comentários:

Anónimo disse...

Em casa de ferreiro espeto de pau.

Anónimo disse...

Discordo.
deve ser "em casa de carpinteiro espeto de ferro"

Anónimo disse...

Não é a primeira vez que esta Câmara, dita de orientação comunista, reclama de uma decisão governamental e depois é a primeira, ou das primeiras a pôr em prática aquilo de que discordou.

Pois é...

Luis Eme disse...

mais grave é o uso de "intermediários".

há algum tempo que a Câmara recruta pessoal a empresas exteriores ao Município, que exploram os empregados até ao tutano, sem esquecer a já citada precaridade...

Justiça social e igualdade? Isso só serve para o Parlamento e para as Manifestações...

EMALMADA disse...

Dois primeiros anónimos:
Com espeto de pau ou de ferro a CMA faz do mesmo modo a cama aos trabalhadores para que estes se integrem na sua democracia vigiada.

EMALMADA disse...

terceiro anónimo:
A Câmara até dispensa os seus trabalhadores para manifestações contra medidas do Governo que ela aproveita para seus recrutamentos de pessoal.
Depois ficam todos sob controlo.

EMALMADA disse...

luis eme
O recrutamento exterior de serviços ou pessoal é uma prática usada pelas empresas de orientação e idelogia capitalista.
A Câmara de Almada mostra ser uma boa aluna destas práticas, porque permite que mais gente ganhe dinheiro à custa dos socialmente excluídos ( emigrantes e outros) com menor poder reivindicativo que se sujeitam para sobreviverem a serem mal pagos e assim contribuem para a engorda do capital.
O fosso entre ricos e pobres é cada vez maior e cada vez há mais pobres.

carlos alberto disse...

Não estejam preocupados com o tipo de contrato, para a câmara, serviços municipalizados e juntas de freguesia não são escolhidos os mais capazes, mas por esta ordem: família da presidente e vereadores, deputados municipais, amigos da família, correligionários do partido e depois os outros (habitualmente ficam à porta).

Portanto fiquem descansados o explorado é o povo contribuinte que paga os seus impostos. Agora é um contrato a prazo, mas vão ver que daqui a uns meses tá tudo resolvido, fica tudo em família.

Anónimo disse...

Um mau exemplo do poder autárquico democrático do PCP

Anónimo disse...

Esta gente do PCP e da CMA são piores que os politicos do 24 de Abril..

A CMA é uma autentica ditadura ... Querem ... Podem e Mandam.....

E os municipes que se lixem ...

Se o PCP e os seus politicos algum dia chegassem ao Governo seriam piores que o Salazar e o Marcelo Caetano ...

Anónimo disse...

Agora, com os com os exemplos dados por esta Câmara,
também concordo com a opinião anterior.

Anónimo disse...

E ainda a procissão vai do adro.
É pena que se escreva tão pouco sobre a freguesia do Monte de Caparica, porque a bronca seria maior.
O que se passa na Caparica não é mais grave porque o tempo que passa no cabeleireiro não deixa que se prejudique mais os outros.

Anónimo disse...

De: sem justiça [semjusticanuncamais@gmail.com]
Enviado: segunda-feira, 19 de Maio de 2008 20:27
Para: semjusticanuncamais@gmail.com
Assunto: injustiça nunca mais




Camaradas colegas trabalhadores das autarquias do concelho de Almada



Quando comemorámos mais um aniversário da gloriosa madrugada de Abril quando nos encontrámos na avenida da Liberdade como todos os anos unidos na fraternidade que nos junta nos festejos da conquista da Liberdade sem que para tal fosse necessário sermos eleitos ou presidentes de uma junta de freguesia lado a lado com outros camaradas e amigos eleitos ou não vogais ou presidentes mas que como camaradas à altura da tarefa dignos e modestos sem a necessidade de andar sempre a dizer EU É QUE SOU A PRESIDENTE A JUNTA.



Após o nosso anterior mail muita água correu por baixo da nossa ponte 25 de Abril muitos mails com saudações solidariedade genuína com perguntas e também alguns poucos com provocações e ameaças. Agradecemos todos mas iremos manter a nossa decisão de não reponder individualmente a nenhum mail recebido. Às ameaças só temos de dizer se o fascismo e a PIDE não derrrotaram o glorioso Partido Comunista Português e os heróicos camaradas que na noite fascista lutaram não é agora que em democracia e com a ameaça da policia judiciária que nos farão ter medo apesar de sermos apenas ténues sombras dos heróis que fizeram o Partido às provocações só podemos dizer que iremos continuar a ignorá-las porque não serão estas que nos farão recuar. Não nos acusem de anti-comunistas porque não vale a pena. O PCP é e será sempre o nosso partido mas seremos sempre do PCP dos trabalhadores dos mais fracos dos oprimidos e dos que trabalham nas fábricas e nos campos nas repartições e nas ruas sendo eles militantes ou não e nunca estaremos do lado da direita do patronato dos exploradores ou daqueles que apesar da sua filiação partidária mais não fazem do que alienar os trabalhadores do PCP. Às demonstrações de solidariedade e às saudações ficamos agradecidos com cada uma delas como prova da solidariedade genuína de que os trabalhadores são capazes de dar. Uma mensagem deixou-nos impressionados e que dizia: É verdade… Eu trabalhei lá… Eu sei! Esta é a solidariedade genuína porque não foi necessário andar a telefonar para as pessoas a mitigar apoios nem a alardear apoios que só existiram depois de serem mitigados como fez a Sra. Presidente da Junta que até plenários com os trabalhadores fez mas em separado para que estes demonstrassem com quem estavam e tal como nas manifestações espontâneas feitas no Terreiro do Paço de apoio ao Salazar o resultado foi o pretendido. A solidariedade demonstrada nos mails foi genuína porque não foi solicitada foi livre porque foi espontânea e da consciência de cada um. Esta é a solidariedade que faz com que os trabalhadores se unam contra a injustiça venha ela de onde vier.



No Portugal Democrático no Portugal de Abril no Poder Local Democrático numa autarquia comunista é errado e injustificável ataques aos trabalhadores porque o Partido fez-se com estes e para estes. A tradição de defesa dos trabalhadores de que o PCP se orgulha e para a qual lutou sofreu e venceu mesmo na longa noite fascista cimentou a sua ligação à classe operária e a todos os trabalhadores e não pode agora sofrer brechas por razões meramente conjunturais ou pessoais. Os trabalhadores da Junta de Freguesia do Monte de Caparica saberão distinguir entre o verdadeiro PCP e aqueles que apenas provisoriamente ocupam cargos públicos eleitos nas listas do PCP. Os trabalhadores da freguesia do Monte de Caparica que sempre trabalharam com eleitos comunistas (comunistas sim e não apenas eleitos nas listas do PCP) saberão fazer a distinção entre o actual momento e o verdadeiro PCP. Mas a verdade é que a perseguição continuada aos trabalhadores continua na Junta de Freguesia do Monte de Caparica levando a que a desconfiança se instale. Em quem devem os trabalhadores acreditar no camarada Jerónimo nos camaradas dirigentes sindicais que os apoiam e incentivam a lutar contra o governo e a sua politica de direita nomeadamente o SIADAP quando no seu dia a dia são constantemente ameaçados pela Presidente da Junta com esse mesmo SIADAP e quando os trabalhadores sabem que até as Juntas do PS não estão a aplicar isso aos seus trabalhadores é uma Junta dirigida por pessoas inscritas no PCP que se apressaram e de forma alegre a aplicaram o SIADAP aos trabalhadores? Cada vez mais os trabalhadores se afastam do PCP alguns já não querem nada com o STAL porque ouvem que a Sra. Presidente da Junta afirmar que sabe de tudo o que os trabalhadores falam com o sindicato. Sendo verdade é grave mas sendo mentira é mais grave ainda e deve ser desmentido categoricamente pelo STAL para que a confiança entre os trabalhadores e a sua estrutura representativa volte a ser restabelecida porque já se ouve que trabalhadores já pediram a desfiliação no STAL e outros abandonaram o patrocínio legal do STAL será que para o STAL não é preocupante que alguém que é pago pelo dinheiro do sindicato dinheiro esse que vem dos trabalhadores aja no interesse do executivo da Junta contra os trabalhadores?



A freguesia do Monte de Caparica após anos e anos de boa gestão com comunistas e independentes homens e mulheres que sempre colocaram à frente de tudo a sua condição de trabalhadores e de servidores do povo está hoje dirigida por quem parece ter feito dos trabalhadores o seu principal alvo. Durante anos os eleitos comunistas serviram o povo e a autarquia alguns com custos evidentes para a sua vida pessoal familiar e profissional mas dignificaram o Partido a que pertencem ou que os aceitou nas suas listas estes homens e mulheres nunca pretenderam resolver os seus problemas pessoais ou dos seus familiares ou conhecidos nem empregos nem casas nem negócios estes camaradas cumpriram a sua tarefa enquanto comunistas. Terminávamos o ultimo mail com a ameaça da Sra. Presidente com os despedimentos e tal já aconteceu. Uma camarada de trabalho que desempenhava funções no cemitério foi despedida ou eufesmisticamente não lhe foi renovado o contrato porque nada como se porem os pontos nos is estas pessoas eleitas nas listas do PCP utilizam a mesma argumentação de um qualquer patrão. Esta camarada que vinha desempenhando as suas funções de forma elogiada por parte daqueles que tem de se servir dos cemitérios foi despedida porque era refilona mas como por azar do destino soube do seu despedimento ao que se diz quando na secretaria do cemitério entrou alguém para conhecer o seu futuro local de trabalho mas não contentes com o seu despedimento hoje tenta-se associar o seu nome a negócios pouco claros no cemitério.



Outra situação que é demonstrativa da situação que na autarquia do Monte de Caparica se vai vivendo é a de um camarada que tem sofrido na pele de forma mais directa e continuada a descriminação. Este camarada desde que entrou na Junta sempre trabalhou nos monos mas está agora colocado no cemitério isolado dos restantes trabalhadores. Porquê? Alguém saberá? Ou será apenas mais uma situação de ajuste de contas pessoais ou de teimosia e perseguição? Outra situação é a de um camarada de trabalho que por razões meramente pessoais tem vindo a ser perseguido consecutivamente levando o a uma situação de permanente stress e depressão vendo-se este trabalhador incapaz de desempenhar as suas funções. Mas a situação que torna toda esta situação uma caricatura pós moderna é a de um camarada de trabalho que teve a possibilidade de concorrer a um concurso televisivo e só conseguiu a necessária autorização após o executivo da junta ter sido confrontado com uma ameaça de uma entrevista à SIC a explicar a perseguição da Junta e com as ameaças de abaixo assinados contra a Junta e a favor da participação do trabalhador. Mas durante o seu brilhante desempenho no concurso era ver-se a colagem do executivo ao trabalhador querendo fazer querer que sempre tina apoiado a sua participação. Quando o concurso acabou e foi necessário ao trabalhador pedir uma licença sem vencimento e face novamente à oposição do executivo lá se ouviram novamente falar das entrevistas e dos abaixo-assinados e assim lá foi concedida a licença.



Mas será que isto surpreende os trabalhadores ou a população? Não. Já nada os surpreende quando são confrontados com telefonemas da Sra. Presidente quando no cabeleireiro lhes dizia para que em caso de perguntarem por ela dizerem que estava numa reunião no exterior esquecendo-se que o cabeleireiro como lugar público que é será pouco recomendável para este tipo de segredo. Mas a situação tantas vezes se repetiu ou como dizia o poeta tantas vezes o cântaro foi à fonte que lá deixou a asa. Hoje se calhar a situação já não se coloca porque o Partido colocou ponto final nesta situação que era já motivo de risada tanto junto dos trabalhadores como da população e até da oposição e agora se a Sra. Presidente quer ir ao cabeleireiro tem de ir na sua hora. Mas que é caricato que o Partido tenha de ensinar isto a uma Presidente de Junta é mesmo caricato. Mas será que isto surpreende os trabalhadores ou a população? Será que alguma coisa os surpreende quando a Sra. Presidente que dá ordens para os serviços mentirem dizendo que está em reuniões de trabalho quando de rolos na cabeça se encontra no cabeleireiro é a mesma que em voz esganiçada e em tom exaltado e gritando na secretaria da Junta dirigindo-se às funcionárias entre as quais camaradas afiram NÃO SEJAM MULAS PARA MIM …QUEM NÃO ESTÁ COMIGO ESTÁ CONTRA MIM…VÃO ROLAR CABEÇAS… NÃO SE ESQUEÇAM DO QUE ESTÁ A ACONTECER AQUELE… esta linguagem não surpreende milhares e milhares de camaradas e de trabalhadores que estão habituados ou esperam ouvi-la da direita e do patronato mas de uma eleita nas listas do PCP é algo insólito. Será que surpreende os trabalhadores ou a população que sejam conjecturas ou situações meramente circunstanciais que movimentam estes eleitos nas listas do PCP? Será que surpreende os trabalhadores ou a população que o que movimenta estes eleitos nas listas do PCP sejam interesses meramente pessoais ou familiares?



Camaradas colegas trabalhadores das autarquias do concelho de Almada estes são apenas alguns exemplos do clima que se vive hoje na Junta de freguesia do Monte de Caparica. Com esta situação corremos o risco de perder a autarquia porque o tempo que este executivo perde na perseguição aos trabalhadores nas ameaças nos gritos e berrarias não é aproveitado para resolver os problemas da população e só temos de andar nas ruas e ouvir as pessoas para o verificar-mos. Hoje no Monte de Caparica após anos e anos de trabalho sério do PCP corre-se o risco de perder a Junta de Freguesia porque para além da perseguição aos trabalhadores do tempo passado no cabeleireiro existe ainda uma outra grande preocupação que só leva os trabalhadores a rir e a desaparecerem da vista da Sra. Presidente que é quando na televisão na rádio ou nos jornais os presidentes das outras juntas são entrevistados ou aparecem em mais ou melhores fotografias especialmente quando se trata da Sra. Presidente da Junta da Trafaria.



Camaradas colegas trabalhadores das autarquias do concelho de Almada após anos de boa gestão do PCP no Monte de Caparica levada a cabo por homens e mulheres comunistas e independentes com o povo para o povo e com o povo a população está hoje estupefacta pelo facto de nas listas do PCP existirem eleitos que ligam tão pouco aos seus problemas e anseios. Quando os interesses pessoais ou familiares se colocam à frente dos interesses do Partido e do Povo é porque é a altura de se fazerem mudanças e de se entregar novamente a gestão da Junta de Freguesia do Monte de Caparica aos homens e mulheres que sempre desempenharam bem essa tarefa em prol do Partido e do Povo.



Quando na gloriosa madrugada libertadora de Abril milhões de Homens e de Mulheres se levantaram para fazerem um País novo livre fraterno o que tem a ver com os principais alicerces do Poder Local Democrático com o PCP não o fizeram para que toda esta herança seja agora colocada em causa por motivos de miopia politica por questões meramente conjunturais ou por motivos mesquinhos de caracter pessoal.



O PCP não pode ter dirigentes autárquicos que preferem a lisonja que os engana à verdade que os incomoda.



Viva o 25 de Abril

Vivam os Trabalhadores das Autarquias do Concelho de Almada

Viva o PCP