quarta-feira, outubro 24, 2007

Almada dos Pequeninos

Em...Almada, a população andava intrigada sobre a motivação da Câmara Municipal de Almada estreitar as faixas de rodagem ao longo do espaço canal, criando dificuldades à circulação de toda e qualquer espécie de veículos auto, conhecidos e sobretudo a viaturas de maiores dimensões e veículos de bombeiros em situação de acidentes, emergência ou catástrofe em prédios habitados.
Apresentamos alguns exemplos desses atropelos à mobilidade e acessibilidade urbanas na "Nova Almada dos Pequeninos":
Av. 25 de Abril - Cacilhas Algures na R. de Alvalade - Cova da Piedade
Desvio da Av. Bento Gonçalves para R. Clube Recreativo da Ramalha e R. de Alvalade -Cova da Piedade Mas...eis que o Boletim Municipal de Outubro 2007 vem dar resposta à preocupação dos almadendes, através desta foto onde se vê um veículo ecológico em demonstração no Parque da Paz perfeitamente adequado à estreiteza dos arruamentos, os quais passam assim a ser largos de mais, para esses modernos e práticos veículos motorizados, permitindo ultrapassagens seguras e perfeitamente à vontade.
Só falta Bombeiros, Polícia de Segurança Pública e cidadãos optarem pela sua aquisição:
Veículo para vigilância do Parque da Paz, só se for dos caracóis que por lá vivem.
A bicicleta "já passou à história" ou será um brinquedo em propaganda camuflada de ecologia, para papás endinheirados oferecerem aos filhos pelo próximo Natal?

38 comentários:

Cacilhense Teimoso disse...

Assombroso. Um carro avaria na Av 25 de Abril. Uma ambulancia vem a subir a avenida. Não passa. Não tem por onde passar. Não ha vias de emergencia, nada. Vai ser bonito. Vai ser pior que o chiado. Há uma desgraça e não ha por onde circular.
A menos que se passem a ausar... carrinhos pequeninos...

Anónimo disse...

bla bla bla, bla bla bla..
O queixume do costume sem nenhuma solução à vista.
Importa sim é falar mal..
Proponha soluções, fale com a Câmara, é para isso que ela existe..

cacilhense teimoso disse...

Meu caro anónimo... foi falado, proposto apresentadas soluções. Nos foruns promovidos pela camara. Nunca quiseram ouvir, nunca aceitaram outras soluções que nao a deles.
O resultado do Autismo camarário está aqui.

observador disse...

Mais um(a) anónimo(a) que fala por falar.
E que não merece que se perca tempo com ele(a).

Quanto ao veículo todo-o-terreno e todo-o-espaço apresentado, é ridículo.

Estou ansioso para ver os mesmos (carrinhos) em exercício.

Nesta foto - que me deu vontade de rir quando a vi no pasquim municipal - é notório que o senhor vereador, não fosse o diabo tecê-las, preferiu ter uma imagem de vigilância. A viatura está parada, repararam?

Mais uma iniciativa para a história da doce vontade de fazer rir que esta Câmara demonstra com frequência.

Outro Anónimo disse...

No sábado passado, depois de terem colocado as gaiolas na avenida Nuno Alvares Pereira, avariou um carro... para todos podermos passar, alguém empurrou as gaiolas! mas em Cacilhas onde o canal já está pronto, só se os carros ou as ambulâncias subirem o #trono# onde vai circular o MST... acho que devemos alertar as pessoas de que se podem pedir responsabilidades a quem despreza os direitos a circular aos que pagam os seus impostos, nomeadamente o de circulação que corresponde ao selo do carro e cujo montante é integralmente para a autarquia.
Mas com tanta gente que recusa ver estas evidências... vamos adiante!

Anónimo disse...

Oh observador, caramba, você faz mesmo juz ao nick que escolheu! Explique-me lá como é que numa fotografia - por natureza estática - você consegue perceber que a máquina estava parada? É que eu não consigo, por muito boa vontade que tenha (mas não tenho, descanse) de o acompanhar na má língua. Sabe que até um Fórmula 1 a 300 km/hora, ou perto disso, se pode fotografar "parado"?

Por acaso até estive tentado a responder-lhe à letra, dizendo-lhe que afinal quem fala para não dizer nada não é o anónimo a quem você se dirige no início do seu texto, mas você próprio. Mas não o faço, e digo-lhe apenas que a introdução daqules veículos no Parque da Paz constitui um auxiliar de grande interesse nas tarefas de manutenção e vigilância do Parque. O que é bom!

E mais, quanto ao veículo apresentado, o que é que, de facto, o incomoda? O ser eléctrico, portanto amigo do ambiente? Deve ser isso, você é daqueles que não passa sem o seu pópó a gasolina, mal cheiroso e a deitar muitos gases para a atmosfera, certamente! Ou será outro o incómodo, digo eu, tratar-se de uma medida de grande interesse na vigilância e defesa de um espaço que é de todos, sem colocar em causa o próprio espaço? O que significa uma medida acertada da CM Almada ... Será isso que lhe "dói"? Cá para mim será, sim ...

Sabe o que é mau? É dizer mal só por dizer mal! E é feio!

observador disse...

Ilustre anónimo
A resposta nada tem de científico e você acaba de perder uma excelente oportunidade para ficar calado.
Estive lá, meu caro.
E constatei que quando ESTA foto foi tirada, o móvel estava parado.

Ora vê como por vezes a precipitação de dizer mal, faz ricochete?

Quanto ao meu pópó movido a gasolina mal cheirosa, mais um tiro que o senhor dá no pé.
É que não tenho pópó. Utilizo os transportes públicos.
E ando muito a pé que faz bem à saúde.

Invente lá mais qualquer coisa.

Cumprimentos.

Almadense amigo do ambiente disse...

A quem interessa a aquisição destes veículos pseudo ecológicos, é que isto de ser eléctrico não quer dizer que seja amigo do ambiente.

Veja-se os carros híbridos que no balanço total se verifica que são tão prejudiciais ao Ambiente como um grande SUV.

É verdade que produzem menos gases de efeito de estufa, mas para o seu fabrico e reciclagem no final de vida, consomem tanto ou mais recursos como as viaturas que utilizamos no dia a dia.

Só podemos entender a utilização deste veículo no parque da Paz,como um puro acto de propaganda sem qualquer efeito positivo sobre a qualidade de vida dos Almadenses.

Se os responsáveis deste Município se preocupassem realmente com a nossa qualidade de vida não lançavam no Tejo os esgotos sem tratamento, como eu verifico quando estou à pesca em Cacilhas.

No caso do parque da Paz os seguranças podiam utilizar cavalos, estes sim um meio de tranporte realmente ecológico.

EMALMADA disse...

A CMA e seus apoiantes incondicionais sofrem de acentuado défice democrático ao não admitirem qualquer reparo às suas acções.
Assim vai faltando pachorra para admitir tanta incompetência.
Grave ainda é que por vezes as oposições dão oficialmente uma mãozinha ao status, quando se demitem de ser e fazer oposição em momento oportuno.
Mal vai e fica Almada assim.

José disse...

No que respeita à circulação de ambulâncias, na semana passada assisti na Av.(?) Nuno Alvares Pereira a uma cena que se irá repetir inúmeras vezes, ou seja a ambulância a querer passar e o trãnsito completamente parado.
O que me deixa preocupado, é tentar perceber qual é o papel dos Bombeiros da n/ terra no meio disto tudo.
Deram o seu aval?

EMALMADA disse...

Pelo que consta os Bombeiros muitas vezes não são sequer consultados ou informados de alterações ao trânsito e também não reagem ou criticam por causa dos subsídios.(fonte: Bombeiros)
É que se se manifestam contra depois levam na cabeça, ficam de mãos vazias.
Infelizmente é assim. Com tal isco as associações, clubes e algumas pessoas, etc... etc, ficam presas. Por isso aparecem frequentemente a louvar os autarcas e a elogiá-los como os melhores do planeta... "da fantasia".
Este filme passa com alguma frequência no concelho de Almada em diversas salas!

JotaJota disse...

A dimensão das vias rodoviárias no espaço canal do Metro é criticável. Bastante discutível, no mínimo.

A introdução de novos equipamentos motorizados para a vigilância do Parque da Paz é uma medida positiva. Com destaque mediático exagerado, sem dúvida. Mas positiva.

Para o almadense amigo do ambiente: há uma grande injustiça nas suas palavras quando se refere ao tratamento de esgotos. O concelho de Almada tem hoje uma cobertura a 99% de tratamento das suas águas residuais, com o funcionamento de 3 Estações de Tratamento (Quinta da Bomba, Mutela e Portinho da Costa). Só falta resolver parte de Almada Velha e Cais do Ginjal e uma zona entre a Banática e o Porto Brandão.

Para a zona do Ginjal que é a que lhe dá incómodos, há 3 soluções: uma estação elevatória, uma mini-ETAR ou um sistema de colectores a rasgar o Cais do Ginjal até Cacilhas. Todas elas são impraticáveis dada a relação Custo-Benefício que comportam. A solução desse problema está dependente de se avançar com um projecto de requalificação para a zona.

almadense amigo do ambiente disse...

Sr Jotajota

Eu dessas coisas de esgotos só entendo do que vejo.
E o esgoto que sai dos canos não é ao pé do Gigal mas mesmo em Cacilhas e segundo uns amigos meus pescadores quem tem barco e os atracam na Mutela dizem que há mais de dois anos que a porcaria sai para o tejo como nos a fizemos.

Relativamente às vias e como me desloco frequentemente de bicicleta o que fazia falta era uma cicllovia a atravessar Almada e que eu não vejo no terreno.

Anónimo disse...

Caro ilustríssimo observador,

Estava lá no preciso momento em que esta foto foi tirada? A sério? No preciso, preciso momento? E viu? O quê, que estava parada? Para a foto?

Mas para que é que esta conversa serve, afinal? Olhe, serve pelo menos para lhe devolver o cumprimento: você é que perdeu uma belíssima oportunidade de me responder ao que verdadeiramente lhe pergunto. Por isso, perdeu também uma excelentíssima oportunidade de, não querendo dizer-nos o que de facto o incomoda neste veículo, ficar calado e não nos chatear com lengalengas.

Já não é mau ...

Anónimo disse...

Caro emalmada,

Sabe porque é que há tanta gente a não ser capaz de aceitar os seus reparos? Não, não é por défice democrático, não senhor! Aliás, essa do défice democrático atribuído a quem pensa diferente de si tem muito mais que se lhe diga ... já no antigamente ... bom, mas não vamos por aí! Só uma nota: já reparou que, discordando eu de si em quase tudo, nunca o acusei de coisa nenhuma por pensar como pensa? Já reparou nisso? Que necessidade tem você de me acusar de défice democrático por defender o que entendo defender?

Mas adiante. Como dizia, se existem reacções, daquelas que você não gosta, ao que você diz neste seu blog, é por isto (reproduzo um texto seu, de um post anterior):

"Em...Almada, o metro de superfície implantado, tal qual a Presidente da CMA impôs aos almadenses vai ser elemento perturbador da vida na cidade e da tranquilidade dos cidadãos nas suas habitações por colocar os automóveis a circular mais próximos dos prédios, causando-lhes danos patrimoniais e não patrimoniais, aumentando o ruído e poluição e, dificultando acessibilidades e mobilidade local, assim como nas ruas adjacentes."

Pois é, é por causa de tiradas destas, puramente demagógicas, infundadas e mentirosas, que há pessoas que ainda reagem. Porque isto que você escreve não são "reparos" à actuação da CM Almada. Isto é pura mentira demagógica. E, recorrendo uma vez mais à sebedoria popular, diz o povo e com razão que "quem não se sente, não é filho de boa gente". Ora como eu concordo, na generalidade, com a intervenção e a acção da CM Almada (também tenho críticas a fazer, sim senhor, mas no geral adiro à intervenção municipal), também me sinto, como o povo diz, quando leio ou oiço os disparates que você escreve.

E sabe porque é que eu considero um disparate e pura demagogia o que você escreve e eu cito atrás? Eu explico.

É disparate porque procura brincar com a credulidade das pessoas, julgando que são todas estúpidas. Diga-me lá, para começar, quantos decibeis aumenta o ruido dos automóveis em casa das pessoas pelo facto do perfil da Av. 25 de Abril ter sido alterado. Não perca tempo, não aumenta rigorosamente nada. Depois, quantas toneladas de CO2 aumenta a circulação dos automóveis no novo perfil da Av. 25 de Abril? Não perca tempo de novo, nada!

Mas mais importante ainda do que isto, é a sua demagogia. É que ainda por cima, o que vai acontecer é que quer o ruido quer o CO2 vão ... baixar! Sabe porquê? Porque vai reduzir-se muito o número de veículos em circulação! Simples, não será?

E não me venha agora a seguir com histórias de desrespeito por aqueles que pagam os seus impostos de circulação, bla, bla, bla, bla. Sabe, por acaso, que a grande maioria dos carros que circulam na Av. 25 de Abril actualmente são ... de fora do Concelho de Almada? Sabe? Se sabe, mais confirma a sua demagogia. Se não sabe, é pena, porque tem muita informação sobre isso disponível, e não a utiliza. O que reforça, igualmente, o carácter demagógico deste seu blog.

Percebe agora porque é que ainda há algumas pessoas que reagem ao que você aqui escreve? Não, não é por défice democrático. É precisamente pelo contrário!

Anónimo disse...

Emalmada,

Você destila veneno por todos os poros e ainda se dá ao luxo de acusar os outros de défice disto ou daquilo. De facto, é preciso não ter nenhuma vergonha na cara.

O que você diz num texto acima acerca dos que expressam apoio à Câmara Municipal de Almada é digno de um miserável. Porque você é miserável! Assuma a sua identidade para acusar os outros de compadrio e de interesses obscuros! Vá lá, tenha a dignidade de dar a conhecer a sua identidade, quanto mais não seja para eventualmente poder provar em tribunal aquilo que aqui escreve!

Já não é a primeira vez que você, de forma cobarde e traiçoeira, tem intervenções destas. Só lhe fica mal, e revela o seu carácter. Porque você não insulta apenas os gestores da Câmara Municipal; você insulta todos quantos dão muito de si próprios nos bombeiros, nas associações, nas colectividades. E insulta a própria democracia. Porque se fosse verdade o que você diz, então um momento haveria para esclarecer, sem risco de ser posteriormente perseguido, a questão: as eleições! Ora o que tem acontecido, sucessivamente, é que esses que você acusa de cobardes e seguidistas não vão na sua cantiga. E confirmam, uma após outra vez, a justeza do projecto político que tanto lhe desagrada.

Tenha dó! Antes de acusar os outros do que quer que seja, olhe-se a um espelho. Pode ser que refreie o seu veneno ...

EMALMADA disse...

Ainda bem que há um anónimo e/ou quem não concorde com tudo.
É que quando todos estão de acordo ou pensam da mesma maneira há provavelmente alguém que não está a pensar.
Apreciei seu texto.Comentários diferentes são sempre bem vindos e apreciados porque nos levam a pensar de outro ponto de vista sobre os assuntos em causa.
Não somos pela unicidade nem unanimidade que muitas vezes são prejudiciais.Também não nos submetemos a decisões indiscutíveis tipo comité. É bom pensar, ouvir opiniões e partilhar da discussão de ideias sem seguidismos cegos.
Consenso é uma coisa, unicidade e unanimidade são outras.
Obrigado pela colaboração.

EMALMADA disse...

Não insultámos bombeiros. O que se disse foi transmitido por responsáveis dos bombeiros que querem ser preservados.
Miserável ? o que é isso?
Nós almadenses damos muito de nós próprios por Almada. Muitos fomos aos farae e deixámos de ir porque não nos deixavam falar, tentavam dimuir-nos, agrediam-nos verbalmente, insultavam-nos.
Por isso dissemos BASTA!
Fiquem a falar sózinhos. Batam palmas para dentro do vosso círculo.
A democracia não é o que se viu e vê no funcionamento controlado e manipulado desses farae.

Eduardo Moura disse...

Almadense amigo do ambiente,

Você só entende de esgotos aquilo que vê, e pelos vistos também aquilo que lhe dizem (pelo menos, é o que você próprio diz). Mas cuidado com o que lhe dizem. Se resultar de entendimento igual ao seu não vai muito longe ...

É que por vezes aqulio que se vê é muito mais aquilo que se julga ver. Convém, nisto como na vida em geral, fazer sempre um esforço suplementar para mais e melhor informação. Não custa nada.

Quanto às viaturas do Parque da Paz (já repararam que aquelas viaturas são, de facto, o objecto real do post do emalmada? Já repararam que foi para "gozar" com elas que ele publicou este texto), tenho para mim que não constituindo uma panaceia para a resolução de todos os problemas do Parque da Paz (nem assim foram apresentadas, é óbvio), serão de uma utilidade muito grande. Na vigilância e seguramente na manutenção.

É bom não esquecer que aquela infraestrutura municipal (para aqueles que dizem que em Almada é o deserto urbanístico puro, ali está uma excelente resposta que desmente essas bocas infelizes ...) ocupa uma área de mais de 60 hectares. Vigiar e manter aquela área sem recurso a meios mecânicos é impossível; exigir isso seria desumano. Logo, aqueles veículos eléctricos (almadense amigo do ambiente, olhe que são mesmo melhores do que os a gasolina ...) serão seguramente um excelente contributo para preservar a qualidade do ambiente, assegurando simultaneamente melhores condições para a vigilância e manutenção do espaço. Um aplauso, por isso, para a decisão da Câmara Municipal de Almada, que teria sempre como alternativa veículos de suporte a estas actividades movidos a gasolina. Optou por estas, fez muitíssimo bem.

Estou consigo, no entanto, relativamente à ciclovia. Sou daqueles que muito gostaria que o número de quilómetros de vias destinadas às bicicletas crescesse drasticamente no nosso Concelho. E acho, neste aspecto particular, que a Câmara Municipal já podia ter feito mais.

Anónimo disse...

Em almada,

Mesmo dando de barato que não inslutou bombeiros (a fonte, ah essas coisas das fontes ...), não deixa de ser sintomático que assuma que insultou os dirigentes das associações e das colectividades, e a própria democracia. Vá lá, ficam os bombeiros de fora dos seus insultos ...

Mantenho tudo o que disse, naturalmente. E quanto aos farae, eu próprio já participei em alguns. Não muitos, confesso. E até já assisti a uma situação em que foi retirada a palavra a um interveniente, é verdade. Mas foi a única situação deste tipo a que assisti, e teve uma explicação muito simples: como você faz aqui, também esse interveniente estava a insultar tudo e todos.

De resto, constrangimentos à palavra é coisa a que nunca assisti em nenhum dos farae em que participei.

fernando sousa da pena disse...

A discussão vai longa, em torno do relevante e também do acessório, e lamento que um saudável espaço de discussão sirva demasiadas vezes para os insultos de quem já não tem mais argumentos.

Porque é bom um blog assim, já que, ao contrário do que fazem outros municípios, o Boletim Municipal não dá lugar ao contraditório (nem que seja uma justa reposição de factos), e limita-se a ser um meio de propaganda, pago com dinheiros públicos (estes, sim, muito públicos...), com os tais com que se ganha «democraticamente» eleições sucessivas.

Para mais, os momentos de alegada discussão pública (fóruns e quejandos) não são geridos de modo equilibrado, por vezes parecendo ter claques organizadas. Depois de passar duas sessões de braço no ar, elegantemente ignorado pela mesa, desisti de colocar qualquer questão e quando posso vou, mas apenas para ouvir.

Portanto, que este blog continue, para bem de Almada.

Agora, a propósito deste post. Não me parece que o seu fulcro sejam os tais triciclos. Correndo o risco de meter foice em seara alheia, parece-me que o autor apenas os usou em ironia (mal entendida, pelos vistos), a propósito do exíguo espaço de circulação automóvel ao longo de algum traçado do metro. E quanto a isso - o essencial, porque diz respeito à segurança e à comodidade dos cidadãos - não houve resposta. É possível que esteja alguma solução pensada, mas seria muito interessante torná-la pública.

Por fim, não posso deixar de comentar o que se diz a propósito do Parque da Paz: «bom não esquecer que aquela infraestrutura municipal (para aqueles que dizem que em Almada é o deserto urbanístico puro, ali está uma excelente resposta que desmente essas bocas infelizes ...) ocupa uma área de mais de 60 hectares.»

Não, por acaso não é uma excelente resposta, apenas uma aceitável solução, agradável, é certo, mas insuficiente. Porque aquele espaço não teve o tratamento adequado (palavras do Arq. Ribeiro Telles, um reconhecido e reputado especialista) e porque, quando no mundo civilizado as palavras de ordem são "corredores verdes", por cá continuamos agarrados a paradigmas urbanos obsoletos e até insistimos em chamar espaços verdes a rotundas relvadas...

João Teles disse...

Almada é uma cidade agradável com forte tradição cultural e associativa. Sem dúvida um dos municípios mais importantes e com maior número de projectos nos tempos que correm.

Opiniões contrárias haverá sempre e em todos os municipios com toda a certeza. Na parte que me toca estou muito satisfeito e apraz-me viver na freguesia de Almada.

Louvo o trabalho Municipal, sem ser comunista, note-se, e enquanto esta equipa se determinar a eleições poderá sempre contar com o meu voto.

Na minha opinião a Sra Presidente de Almada é uma excelente autarca, e sem dúvida alguém capaz de garantir os requisitos essenciais, e em superavit, de um concelho como o de Almada. Aproveito para registar o meu louvor à direcção autarquica.

Bem haja

Anónimo disse...

Segundo consta a ETAR da Mutela nunca funcionou em condições, o esgoto tem sido libertado para o rio Tejo sem qualquer tratamento.
A situação foi denunciada em 2005 pelo candidato do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Almada, mas caiu no esquecimento.
Parece até que é do conhecimento da Assembleia Municipal.
Porque se mantêm esta situação degradante para os Almadenses?

NoExit disse...

Fico espantado com os comentários acéfalos que vejo por aqui!!!
Desde quando um veículo movido a electricidade é amigo do ambiente? Electricidade produzida através do carvão ou gás natural é tudo menos amiga do ambiente. Ou vai-me dizer que estes veículos apenas andam com electricidade produzida por energias renováveis. Se assim for, tem que me dizer onde encontra tal tomada eléctrica.

Nota: Sabe quanto custa cada segway?

Anónimo disse...

O grande "problema" destes foruns de discussão, é que ninguém pode impedir ninguém de falar.
Quando a coisa se passa em foruns públicos, inscrevem-se todos para falar, impedindo quem não for do "grupo" de intervir, vencendo as pessoas pelon cansaço, ou indo mesmo pelo caminho da intimidação.
É assim que as coisas se passam e felizmente que não nos esquecemos das lições de "democracia".

Anónimo disse...

noexit,

A maior parte da electricidade que consumimos é produzida a partir das barragens: é energia hidroeléctrica.

Claro, também tem os seus inconvenientes. Mas diga-me lá, qual é a actividade humana que não tem impactos no ambiente? Conhece alguma? Mesmo as energias renováveis, de que vocâ fala, como é que são produzidas? Como são produzidos os painéis fotovoltaicos? Ou os moinhos eólicos? Como? Com sol e água?

Acéfalo? Quem é que é acéfalo, afinal? Você nem fundamentalista sabe ser. Para dizer mal, tudo serve.

Fernando Sousa da Pena,

Esqueceu-se das suas "hortas urbanas"?

Então o Parque da Paz é apenas "aceitável"? Quantas cidades no mundo, e particularmente quantas cidades da dimensão de Almada, construiram parques como o Parque da Paz? (não, escusa de vir com Londres ou com Nova Iorque, não pega!).

E mais, você chama aceitável a um espaço de 60 hectares que alguns queriam ver teansformado, não há muito tempo, em ... floresta de betão! Quem é que travou essas intenções?

O Arq. Ribeiro Telles disse que aquele espaço não teve o tratamento adequado? Pronto, está bem, disse. E depois? É um conceituado especialista? Também o autor projectista do Parque da Paz é um conceituadíssimo especialista (e você sabe muito bem de quem falo).

Outros espaços verdes, parques urbanos, existem pelo Concelho todo e novos estão a ser construídos. Só por má fé se poderá dizer o contrário.

O que vos dói é que se estão a fazer coisas boas em Almada. E quem está a fazer essas coisas boas é a Câmara Municipal, de que vocês não gostam. Esse é o problema central. Mas quanto a isso, batatas. Não vale a pena. Para vocês, tudo quanto de bom esta Câmara fizer será motivo para dizer mal.

EMALMADA disse...

ao anónimo que falou de insultos a dirigentes e colectividades..
Meu caro isso é o sr. ou sra. que o diz.
Ninguém foi insultado. Talvez nos tenhamos referido a acções de pessoas, mas isso é outra coisa.
Até somos associados de colectividades dominadas por apoiantes desta autarquia e do partido que a apoia, mas não confundimos essas células de apoio com as colectividades em si.
Há quem fale muito em associativismo popular em Almada, mas o certo é que isso já não existe.
Não somos nós que o dizemos mas sim ex-dirigentes associativos e ex-cooperativistas com dezenas de anos de experiência em cargos exercidos em colectividades, clubes, associações culturais, cooperativas ou como meros associados ou ccoperantes.
Não são "associativistas de última hora" destacados pela autarquia ou partidos politicos para controlar e dominar as colectividades, como se vê hoje em Almada, onde funcionários autárquicos ocupam cargos de relevo em algumas colectividades concelhias e fazem comissões de serviço para "segurar a barra" o que não é dignificante para as colectividades as quais deveriam ser independentes dos partidos políticos em respeito pelos seus associados.
Transportar política para dentro delas lembra outros tempos.

EMALMADA disse...

fernando sousa pena
agradecemos a referência que faz a este blog como meio de debate de ideias sobre Almada.
O controle de informação, mesmo nas sessões de Fórum, que a CMA faz, não permite a livre exposição de opiniões.
Se este blog proporciona isso, já é positivo, embora algumas pessoas, nomeadamente adeptos de quem domina e pretende dominar Almada não goste.
Relativamente ao veículo em causa, é claro que é usado aqui como ironia ao cenário que a CMa está a construir em Almada em matéria de mobilidade e acessibilidades toscas, complicando a vida aos almadenses e residentes.

EMALMADA disse...

Quem está na Câmara, tem a lição bem estudada pela "cartilha oficial" e coloca em prática os ensinamentos injectados/assimilados/interiorizados para controlar as situações numa aparente prática democrática de em primeiro lugar cativar as massas para em segunda passada assumir o dominio total das mesmas, aniquilá-las e atingir o objectivo previamente traçado ou definido.

EMALMADA disse...

Para bem de Almada era importante que as forças politicas na oposição se fizessem ouvir e sentir junto da população.Fizessem oposição.
Quem anda por Almada vê e ouve o descontentamento entre transeuntes pelo que se está a passar ao longo do eixo viário.
Até hoje não se conhece nada que oposição tenha feito para ouvir as pessoas e apresentar soluções futuras.
A população está desamparada ou deixada ao sabor da força política que está na autarquia.
É preciso que a oposição seja alternativa e se apresente como tal.
Caso contrário ganham de novo os mesmos pela ausência de eleitores, como tem acontecido.

Anónimo disse...

"Veículo para vigilância do Parque da Paz, só se for dos caracóis que por lá vivem.

A bicicleta "já passou à história" ou será um brinquedo em propaganda camuflada de ecologia, para papás endinheirados oferecerem aos filhos pelo próximo Natal?"

Isto é pura ironia, emalmada? A mim não parece nem tão pura nem tão ironia quanto isso ...

Já agora, emalmada, já reparou que não é você quem diz nada (não percebo porque é que fala no plural. São vários? Faz-me lembrar alguém que conheço ...)? Pois você não diz nada, são sempre os "outros", ex isto, ex aquilo, que dizem as coisas. Muito interessante, esses ex qualquer coisa servem muito bem à sua demagogia.

Mas mesmo assim, o que você disse relativamente a dirigentes das nossas colectividades (e também dos bombeiros!), foi mesmo que eles se calavam porque tinham medo de sofrer represálias. Isto foi o que você disse. Percebeu o insulto, e vem agora tentar "defender-se" (seria melhor escrever "limpar-se") dizendo que esses dirigentes são mas é afectos à Câmara Municipal e ao partido que a suporta.

Ora, emalmada, cada cavadela cada minhoca, não é verdade? Não desperdice mais forças a tentar justificar o injustificável. Faca-lhe muito melhor dizer que não gosta desta Câmara Municipal e porquê, do que estar a arranjar falsas razões e desculpar-se com os outros. Mas é a sua natureza ...

Anónimo disse...

Depois da leitura de algumas coisas publicadas neste blogue e de comentários deixados, concluo que não agrada a uma certa situação política flutuante em Almada.

fernando sousa da pena disse...

Caro Anónimo,

Começo por lamentar não poder tratá-lo pelo nome. Mas pelo menos da sua parte sabe com quem está a falar.

Permita-me que responda à sua intervenção.

«Esqueceu-se das suas "hortas urbanas"?»

Não, não esqueci. Lamentavelmente esta maioria é que nunca se lembrou delas, ao contrário do que fazem grandes metrópoles mundiais. Mas vejo que temos uma dificuldade de entendimento. Aquilo que me parece defender para Almada é um modelo esgotado e ultrapassado por essas cidades de referência. Por isso, eu não quero discutir parques, jardins, canteiros ou palmeiras à beira-rio. Quero falar de corredores verdes, que integrem espaço edificado com contínuos de espaço natural.

«Então o Parque da Paz é apenas "aceitável"? Quantas cidades no mundo, e particularmente quantas cidades da dimensão de Almada, construiram parques como o Parque da Paz? (não, escusa de vir com Londres ou com Nova Iorque, não pega!).»

Percebe agora o que digo? Note que as cidades que referiu têm essa opção há décadas. Aquilo que se faz hoje é completamente diferente. Apesar disso, não acho o Parque da Paz inútil ou mal feito, ainda por cima num concelho tão maltratado urbanisticamente. É preferível o Parque da Paz aos horrores que esta câmara deixou erguer na sua vizinhança. Apenas tenho pena que não se faça melhor.

«E mais, você chama aceitável a um espaço de 60 hectares que alguns queriam ver teansformado, não há muito tempo, em ... floresta de betão! Quem é que travou essas intenções?»

Perdoe-me, mas esses «alguns» não sei quem são. Sei é daqueles que tendo o poder escolheram em sede de PDM a construção como desígnio do concelho. E isso está suficientemente documentado.

«O Arq. Ribeiro Telles disse que aquele espaço não teve o tratamento adequado? Pronto, está bem, disse. E depois? É um conceituado especialista? Também o autor projectista do Parque da Paz é um conceituadíssimo especialista (e você sabe muito bem de quem falo).»

Se sei...

«Outros espaços verdes, parques urbanos, existem pelo Concelho todo e novos estão a ser construídos. Só por má fé se poderá dizer o contrário.»

Recordo-me de sucessivos relatórios de actividade municipal em que contam como espaços verdes rotundas relvadas, canteiros, floreiras... Como me recordo do estado decadente de tantos jardins. Ou dos projectos escandalosos de invasão viária e urbanística da paisagem protegida da arriba fóssil, chumbados em tribunal, mas que obviamente ressuscitarão com novas roupagens. Ou dos projectos de construção em Reserva Ecológica Nacional. Ou da impermeabilização de terras de elevado potencial agrícola.

«O que vos dói é que se estão a fazer coisas boas em Almada. E quem está a fazer essas coisas boas é a Câmara Municipal, de que vocês não gostam. Esse é o problema central. Mas quanto a isso, batatas. Não vale a pena. Para vocês, tudo quanto de bom esta Câmara fizer será motivo para dizer mal.»

Se acompanhou, como parece, a minha actividade como deputado municipal, verá que votei de acordo com o que entendia ser bom para Almada. E, muitas vezes, isso significou votar ao lado da CMA. Mas também significou ser o único a reprovar um Pólis megalómano com princípios urbanísticos estafados e com intervenções tantas vezes prejudiciais para as populações locais e para o futuro do concelho. E, com responsabilidade, apresentando opções alternativas.

Acha que é só dizer mal por dizer, ou actuar por fanatismo partidário? Não creio que tenha sido justo.

NoExit disse...

Para o Anónimo:

Começamos pelo Acéfalo:
"A palavra grega de que deriva significava cabeça mas,... , passou a significar sem cabeça."
"adj. que não tem cabeça (ou a não tem distinta do resto do corpo); a quem falta o pensamento dirigente..."
Pelos vistos o seu pensamento é mesmo acéfalo ou não diria tanto disparate quanto ao assunto da energia. Ou vejamos:

O sr. conhece a % de energia consumida em Portugal obtida através da Grande Hídrica? Aconselho-o a um estudo mais exaustivo antes de escrever frases ignorantes.
"A Directiva 2001/77/CE exige a Portugal o cumprimento da meta de 39% de electricidade produzida a partir de fontes de energias renováveis no consumo bruto de electricidade em 2010."
Felizmente a CMA só vai utilizar energia eléctrica produzida através de energias renováveis...Haja paciência!!!

Quer igualar os impactos de uma central a carvão com os de uma instalação solar? Só alguém de má fé o poderá fazer mas já percebemos que o Anónimo está cego pela cartilha vermelha...
Até as vacas, com os seus dejectos, são "inimigas" do ambiente mas é isso que nos faz parar de comer bifes??!!
Agora dizer que um segway alimentado a energia eléctrica é amigo do ambiente parece-me realmente ACÉFALO!!!

observador disse...

Creio que esse anónimo já aprendeu a lição.
Agora é só manter-se actualizado.

melro disse...

A Câmara Municipal de Almada designa por espaço verde qualquer canteiro ou pedaço de terreno onde cresça erva. É assim porque não cuida de jardins, nem de canteiros, nem de árvores. Faz contratos de manutenção com empresas de jardinagem, mas depois não vela pelo cumprimento desses contratos e o dinheiro dos municípes voa para algures.
Quando foi vedada a área de eucaliptos onde hoje está o Merlyn, um deputado municipal, em assembleia municipal, questionou por duas vezes a presidente da CMA para o informar do que passava com aquela área que apareceu vedada, mas a senhora à sua boa maneira "de democrata legítima" nunca respondeu, ou melhor respondeu dizendo que desconhecia a existência da vedadção. Nesse tempo já se sabia entre algumas pessoas de Almada e não só, que ali iria ser construída outra grande superfície comercial.
Só a presidente não sabia!
Estranho.

farto de demagogia disse...

O costume.
A senhora nunca sabe nada. Mas os trabalhos avançam.
E, no fim, lá está ela para descerrar a placa e inaugurar.

braga parques disse...

Posso estar enganado mas parece-me que o veículo está parado. Uma pessoa em cima de um veículo desses a circular não terá de estar numa postura vertical?