quinta-feira, janeiro 17, 2008

A Trafaria tem Encanto

Em...Almada, nem tudo é feio e nem tudo é mau.
Há na verdade paisagens e cantinhos naturalmente muito bonitos. Pena é não haver um empenho de quem o deve fazer, para preservar o bom e bonito e não deixar o que é belo e valioso por natureza, ser contaminado pela degradação resultante da falta de cuidados de conservação, incúria e abandono.
Aqui, na Trafaria de onde são estas duas fotos, haverá responsabilidades de alguém por um certo estado de abandono desta aprazível terra de muito encanto. Não sabemos de quem, mas é lamentável que na sua sala de visitas, junto ao Rio Tejo e cais de passageiros existam edifícios em adiantado estado de degradação ou aspecto como este, há muito tempo, que causam má impressão a quem chega e deixam uma má imagem a quem parte.
É mais importante dignificar o concelho do que alardear que a Câmara tem saldo positivo, quando vemos imagens desagradáveis de quarto mundo e outras semelhantes num concelho, frente a para Lisboa, de um país com mais de oitocentos e cinquenta anos de História, integrado na Comunidade Europeia.
Também é preciso ter vergonha.
É urgente reabilitar Almada!

7 comentários:

Anónimo disse...

Houve algum tiroteio na Trafaria ou estamos em cidade que foi palco de guerra?

Anónimo disse...

Tem razão quanto às imagens degradantes do Concelho, vamos combatê-las.
Comece por fazer obras no seu prédio de 8 em 8 anos :)

EMALMADA disse...

Não ataque assim porque não tenho prédio, só tenho uma fracção e aqui têm-se feito obras para colmatar a degradação, embora não tenhamos de lhe prestar contas.
A CMA é que não faz obras nos seus Bairros Sociais, nem em outras suas propriedades como por exemplo o antigo quartel dos Bombeiros V. Cacilhas que é sua propriedade e está em estado de conservação que envergonha a freguesia de Cacilhas e o concelho.

Jota Jota disse...

Fantástico, Anónimo. Descobriu a solução milagrosa que pode salvar o mundo.

Por exemplo, o combate à fome. A solução é simples: preparam-se uns folhetos e uns outdoors e espalhamos pelo mundo inteiro: "Acabar com a Fome depende de si! Alimente-se! Faça 3 refeições por dia!"

Pronto. Problema resolvido. Se continuar a haver fome, a culpa será dos próprios esfomeados que não se alimentam. É que a informação foi-lhes prestada.

EMALMADA disse...

jota jota
os folhetos e outdoors são realmente expedientes usados pela CMA para sacudir algumas suas responsabilidades na matéria e impressionar e convencer a opinião pública, nomeadamente os seus fiéis seguidores, que são os proprietários (os ricos !) os únicos responsáveis pela degradação dos edifícios.

Sotnas disse...

É de facto degradante. Mas, para sermos sinceros este problema da degradação dos imóveis não é tipicamente almadense mas uma vergonha nacional. No entanto, aqui o que nos preocupa é o concelho de Almada. E para uma câmara que arrota postas de pescada a toda a hora, agora é com os 9,5 milhões de euros de superávite orçamental, isto é efectivamente inaceitável. Mas, agora todos ficámos a perceber melhor porque é que o concelho está em auto-gestão, os 9,5 milhões são consequência disso mesmo, da falta de trabalho. Mas, parece-me que MES com toda esta propaganda deu um tiro no próprio pé: a partir de agora todos estamos livres para exigir da CMAlmada que trabalhe e sirva os munícipes pois não há desculpas com falta de dinheiro. Aliás, MES cada vez parece mais aquele tristemente célebre professor da Universidade de Coimbra, depois Presidente do Conselho durante décadas, que preferia ter os cofres do Banco de Portugal a abarrotar de ouro e divisas, a alimentar, educar e dar saúde ao seu povo. As semelhanças são cada vez maiores e não só relativamente à obsessão com as contas. Também a outros níveis, as semelhanças são imensas. E, infelizmente para todos nós portugueses, MES não é a única sósia do famigerado professor: o país está cheio delas. Parafraseando Fernando Dacosta: "o país está cheio de salazarinhos e de candidatos a salazarinhos".

Sotnas

EMALMADA disse...

sotnas
É uma boa discípula do autoritarismo e da prepotência.