sexta-feira, agosto 22, 2008

O Progresso à Moda da Câmara de Cá

Em...Almada, o Progresso tem um toque muito personalizado da gestão dos actuais "governadores" muito progressistas e atirados para a frente, com todas as suas "boas contas" conforme alardeiam, mas mantendo o concelho num estado de subdesenvolvimento e de miséria urbana, quando comparado com uma mediana vila de Portugal.
Se formos para cidades de média dimensão da Europa, Almada desce ainda mais de escalão.
Quatro marcas deste progresso doméstico como exemplo:
1-Higiene e Limpeza Urbana exemplar como atractivo turístico, chamariz para roedores e insectos com ambiente natural adequado à sua proliferação 2. Ruralização do Centro de Almada cidade. Os almadenses começaram a abandonar o novo centro rural de Almada, as lojas fecham e transferem-se para zonas mais populosas 3-Conservação, Limpeza e Manutenção de Parque Infantil como atractivo para os pais levarem as crianças a brincarem e conviveram em local saudavelmente cuidado 4-Contentores/Ecopontos criteriosa e estrategicamente colocados no passeio público para facilitar a mobilidade de cidadãos e especialmente de deficientes motores.
Nunca Almada conheceu gestores tão (in) competentes quanto estes, que em aspectos correntes e básicos da gestão da cidade não são capazes de superar a sua mediocridade e colocarem-se à altura de resolver problemas tão simples do dia a dia da vida de uma população, para lhe proporcionar um bem-estar e qualidade de vida no espaço público.
Temos ditos autarcas que usam e abusam de slogans como meros instrumentos de manutenção do Poder.
Não sabem o que é ética na política, por isso não usam a política para satisfazer as aspirações dos eleitores, mas sim a realização de desejos pessoais de se eternizarem no Poder, usufruindo e comendo o que aos cidadãos pertence.

18 comentários:

Anónimo disse...

Há municípios que não falam. Fazem.
Aqui fala-se (muito) e não se faz.

fernando sousa da pena disse...

Se me permitem gostaria de recuperar uma resposta tardia que dei ao post "Almada actualizada".

«A Câmara Municipal tem óbvias responsabilidades na preocupante perda de segurança no concelho. Como negá-lo?

Não me vou alargar na apreciação à Rousseau dos fenómenos de marginalidade com que a esquerda vai desculpabilizando os transgressores. Nem no habitual epíteto de fascista que reserva a quem entende que a protecção dos cidadãos é um valor fundamental. Nem nos inenarráveis relatórios de segurança municipal, aprovados em regra pela acomodada maioria BE-PCP-PS-PSD.

Quero antes chamar a atenção para dois factos. Primeiramente, para o laxismo com que se trata os pequenos delitos. Depois, para a estratégia de betão e negligência do espaço público.

Temos, assim, uma cidade de construção densa, ruas e zonas verdes muito sujas e descuidadas, mobiliário urbano vandalizado, graffiti pelas paredes, dejectos de cães (e humanos...), pragas de pombos, ecopontos monstruosos e transbordantes, passeios escavacados, planeamento irracional, sem harmonia entre espaço natural e edificado, com soluções (quando as há) obsoletas.

A população, sem espaço público acolhedor, é empurrada para os centros comerciais e deixa aquele à mercê dos criminosos.

O estado decadente em que está Almada deveria deixar envergonhado qualquer um com responsabilidades na gestão do município.»

Infelizmente, nem competência nem vergonha. Para onde vamos, pobre Almada?

Al-Ma'dan disse...

Caro Fernando Sousa da Pena,
Almada irá para onde os almadenses (a maioria) a levarem. Se houver coragem de mudar, Almada poderá também mudar, para melhor entenda-se. Se continuar a não haver coragem de mudar, Almada cada vez mais ficará para trás.
O futuro está nas mãos dos almadenses.

Anónimo disse...

A cidade de Almada efectivamente não tem mais valias para os seus habitantes. Um dos seus principais problemas é a sujidade, que transforma o que poderia ser uma cidade relativamente agradável, numa lixeira a céu aberto.
Outro dos problemas são os "caça-niqueis", quer sejam camarários, quer sejam dos famosos arrumadores. hoje não podemos deslocarmo-nos na cidade sem ter que pagar...e bem.
Isto leva-nos a outro lado, que é o de a maioria das pessoas frequentarem o Forum Almada, dado que não está sujo, é agradável visualmente e no inverno não se apanha chuva, nem calor no verão.
Mesmo que fosse pago o estacionamento (como vejo alguns a defender), seria sempre muito melhor que a lixeira e a caça ao nosso porta moedas, em que a cidade se tornou.
Tudo isto semfalar no tremendo erro do trajecto do comboio, o qual iremos pagar, nós e as gerações futuras.

Anónimo disse...

Mais um robo, no bairro da Ramalha neste caso um bar esta é a cidade da mobilidade,isso sim para os ladrões teêm toda a mobilidade possivel para trabalhar durante toda a noite a sua vontade

Anónimo disse...

Para vender, um produto de qualidade não precisa de publicidade...
Como entender a publicidade feita pela CMA nos semanários, nas televisõs pública e privadas...
UMA BOA AUTARQUIA PRECISARIA DISTO?
Claro que não...
Só os "maus produtos" se vendem melhor com a publicidade...

Anónimo disse...

Não vejo mal na publicidade. Por vezes, a publicidade é uma forma de mostrar a manutenção da qualidade.
No que eu vejo mal é numa publicidade enganosa, como faz esta Câmara.
Há outras Câmaras que usam o mesmo meio.
Se repararmos, são as autarquias com problemas económico-financeiros que mais o fazem. Autarquias com déficit de afirmação pela coisa pública e onde, não poucas vezes, a corrupção - activa ou passiva - se esconde por detrás de uns quantos gestos aparentemente democráticos.

Zé Broncas, com votos de bom dia.

Anónimo disse...

Parecemos um bando de choramingas... mas nunca vejo ninguém apupar os labe-botas da czarina quando ela os leva aos palcos e os coage a fazerem depoimentos elogiosos aos apoiozitos que ela lhes dá em troca e com os quais eles se vão impondo nos seus locais de trabalho, onde por sua vez vão ganhando eleições e nomeações...
É assim... e este pobre concelho asim vai definhando.
Revejo-me nas palavras do arquitecto dos comentáros do post anterior e acrescento que esta taradice de regular o transito dentro da cidade, numa sanha feroz contra os automóveis, está a deixar o centro da cidade deserto e portanto mais vulnerável aos assaltos.
Mas a solução está na nossa mão, se soubermos ser suficientemente corajosos para desmontar a arquitectura ficcional da CDU.
A PONTA DO VÉU

Anónimo disse...

E digo mais...
O Prof. Augusto Mateus, que agora está na moda ser contratado para fazer estudos socio-económicos para os municípios, esteve há um tempo no forum Romeu Correia a apresentar um estudo demolidor no qual retrata com frieza e objectividade o desenvolvimento do concelho de Almada em comparação com outros da Pen. de Setubal e com a Grande Lisboa.
Pois... mas apesar de todos nós termos pago o dito estudo com os nossos impostos, esse não foi divulgado nem se ouviu falar mais dele! Pudera!
Só no turismo, que é uma das áreas de grande investimento (diz a czarina!!!) o nosso atrasó é o seguinte:
apenas 1% dos empregos do concelho são na hotelaria;
até 2004 houve um aumento de procura de 30% no turismo e apenas 6,5% de resposta...
Entre 1998 e 2004 fecharam 45,7% da área do comércio e abriram no mesmo período, 37,5%... isto foi antes a crise!!!
Só a construção é elevada: aumento de 27% contra 8,5% no País!!!
Por que será?
A PONTA DO VÉU

Anónimo disse...

Quem semeia "cimento" colhe impostos...
Assim a CMA vai "arredondando" as contas autárquicas... Mais IMT, mais IMI, etc., etc...
Por exemplo:
Os Almadenses que pagaram o IMI de 2007 numa só prestação, tiveram um desconto de 20%...
Os que, pagando um pouco mais, o pagam em duas prestações (por opção do fisco) não têm qualquer desconto da segunda metade do ano...
DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS...
Assim vai Almada...

Anónimo disse...

Caro anónimo das 10:34 PM de 23 de AGO, explique por favor melhor, de preferência com exemplos o que vamos pagar de IMI, se por lapso não se sabe de quem nos fizeram um desconto no IMI de 2007, pago em ABR/08.
Essa cobrança suplementar de mais 20% ainda não foi corrigido. Pensava eu que seriam apenas mais os 20% do desconto indevido.
O desconto não foi só para os prédios arrendados, decidido pela Assembleia Municipal? Porém alguém alargou o desconto a todos os prédios, que agora vão ter de pagar. Quando, não sei.
Talvez dê jeito o erro à Câmara que se pode (hipocritamente)queixar que as receitas não chegam para as transferências de competências do poder central.
E, de repente no fim do ano, afinal com mais estes 20% de IMI quanto irá crescer a receita?
Como não se fazem investimentos e o orçamento da despesa fica aquem do previsto, para o ano sleitoral que aí vem ainda vai haver mais dinheiro do que esperavam os que sempre se choram.
Em 2009 não vamos ter só festas e boletins elogiosos para o poder instituído, também vai haver muito investimento que garantirá mais uma maioria absoluta com menos de 25% dos eleitores.
A ratice nacional é assim ... lamúria autárquica e milagre no ano de eleições enquanto o défice do Estado é excessivo e temos de andar a trabalhar para pagar os juros da dívida nacional deixando também essa dívida para os nossos filhos pagarem, enquanto nos endividamos a comprar bugigangas à China que não sabe que fazer a tantos dólares e euros.
Porque me parece que sabe mais do que diz, caro anónimo, explique-nos o que irá acontecer, porque todos temos obrigação de saber como vão as contas do reino e do município.
Vemos o rico município a quiexar-se que não tem nada e que a culpa é do poder central que lembram-se por pressão deste municipio pagou a obra de regalo que é o jardim urbano e o elevador que ficam junto à casa da cerca. A fragilidade dos governos minoritários (na busca de uma maioria para aprovar o orçamento) tem destes negócios que são não apenas feitos pelo Alberto João, pelo Campelo de Ponte de Lima mas também pelos nossos representantes. E ali está há pelo menos uma década uma despesa não reprodutiva à espera que o desenvolvimento sustentável chegue à outra banda entre o Crito-Rei e o Largo de Cacilhas.A Drª. Nela (que fez voto de silêncio) diria que melhor fora gastar o dinheiro a amortizar a dívida.
Para esta gente que governa Almada tudo é possível nem que para os outros municípios ficassem a tenir, tal é o que exige ao Governo central e aos contribuintes. Os almadense estão cada vez mais pobres, Portugal também só o Município, sem o confessar, continua a somar.
Hermínio

Ponto Verde disse...

Há para aí uns cartazes que caracterizam "o lado certo" como o "local da ciência e do conhecimento" ... fabulosos impostores...

Anónimo disse...

Hoje, domingo, fui à praia do REI...
Fiquei encantado com a "limpeza e com a qualidade dos acessos" a esta linda praia...
Chegado à "portagem do parque de estacionamento"" lá me deparei com um zelozo funcionário da ECALMA ao qual paguei €1,20 (UM EURO E VINTE CÊNTIMOS), para poder usufruir de "um maravilhoso" serviço (um pavimento limpo, uma sombra, etc.)...
Com Calma questionei o dito funcionário sobre os "bons" acessos ao parque (em terra batida com poeira q.b.) e à pouca qualidade deste, propriedade da CMA, ao qual o dito funcionário respondeu:

- O parque é propriedade de uma empresa "privada", a ECALMA...

- Os acessos são da responsabilidade da Junta de Freguesia...

Quando retorqui que a Junta e CMA, eram uma e a mesma coisa, respondeu que só o terreno do parque de estacionamento era "propriedade da CMA", o qual tinha o seu início na calçada de acesso (a poucos metros da "portagem") e terminava na linha do Comboio. Para lá do comboio é que era do domínio público (do Estado)...
A serem correctas(?) as informações prestadas teremos:

- A rua de acesso, em terra batida, é da Junta...

- O parque "saca níqueis" é da CMA...

- O Espaço para lá da linha do comboio é do Estado...

Será que o zelozo funcionário "foi treinado" para dar este tipo de respostas, manifestamente erradas?

A este propósito e para aqueles que eventualmente não ainda não tenham reparado, recordo:

No tempo dos escudos "estorquiam-nos" 100$00 (CEM ESCUDOS)...

No ano passado "estorquiam-nos" € 1.00 (UM EURO)...

Este ano passaram a cobrar-nos a "módica" quantia de €1.20 (UM EURO E VINTE CÊNTIMOS)...

Será que as "boas contas" da CMA o são de verdade quando para a mesma má qualidade do serviço prestado o inflaccionaram em 20% (VINTE POR CENTO)...

Com a qualidade e o preço dos serviços prestados pretendem o quê? Dissuadir as pessoas de usufruirem das praias da Costa de Caparica.

A quem interessa este desmazêlo sistemático?

Em tempo:
Ao preço pago de €1.20, haverá sempre que acrescentar o custo da lavagem de qualquer viatura, tal é a quantidade de poeira com que fica...

Anónimo disse...

Esperavam boa gestão de autarcas incompetentes?
Só por milagre.
Eles querem é dinheiro vivo em democracia adulterada para explorarem o pessoal ingénuo.
É o trabalho, a honestidade e a competência dos autarcas do bcp.

Anónimo disse...

A questão levantada com a praia do Rei, é igual na praia da Rainha.
Igual em tudo.
O zeloso funcionário da ECALMA é isso mesmo, um zeloso funcionário que transmite o que lhe dizem para dizer.
Só que não fez o trabalho de casa e leu as instruções na diagonal.
Mas quem se imposta com isso? O cidadão, o visitante, o incauto.
Até quando? TODOS nós podemos dar uma resposta.

Zé Broncas

Anónimo disse...

A praga ECALMA está a infestar todo o concelho.

Dinheiro ...Dinheiro e Dinheiro é preciso para melhorar a qualidade de vida dos administradores da empresa, pagar aos trabalhadores eleitores e dar mais alento e desafogo à nomenklatura.

São os vampiros da CMA.

Paga cidadão.
Até quando? como diz o anterior participante.

comerciante disse...

As tarifas pagas pelos municipes não chegam para pagar a limpeza urbana.
Os comerciantes de Almada estão a sentir na pele o resultado da politica de estacionamento da Câmara e da acção dos zelosos empregados da Ecalma que tem de cumprir objectivos para receberem ordenado.
O dinheiro vai sendo pouco para as despesas com viaturas da Ecalma, ordenados, fardas e daí, mete-se a mão no bolso dos automobilistas.
Qualquer dia a Câmara também entra na praia e começa a cobrar uma taxa municipal pelos chapéus de sol, devido à recolha, que não faz em condições, do lixo

Gustavo disse...

Como já se referiu aqui: "Negligência do espaço público" - é o mote da Maria Emília que encheu os cofres do Município à custa do mercado imobiliário.

Resultado:
-Habitação contínua de Cacilhas ao Monte da Caparica até à Cruz de Pau.
-Poucos espaços públicos (sim, o Parque da Paz NÃO CHEGA). Falta da infrastruturas recreativas desportivas.