quinta-feira, maio 15, 2008

O Estalar do Verniz Municipal

Em...Almada, transcreve mais uma opinião de um almadense sobre as obras do MST a decorrerem no eixo central da cidade.
"A programação/roteiro de trabalhos para colocar o Metro Sul do Tejo ou MST, revela uma sucessão de erros, improvisações excessivas, aberrações urbanas e muita falta de cuidados na execução. Lança interrogações nos cidadãos sobre a utilidade e “generosidade” da obra da Presidente da Câmara Municipal de Almada. Deixa dúvidas se alguma vez houve a preocupação de respeitar moradores, população e aqueles que por força de circunstâncias têm de se deslocar a Almada. - Ao serviço de quem estão Estado/Autarquias, governantes/autarcas? das empresas de construção de obras públicas ou dos cidadãos? Da concepção à concretização do projecto no terreno, vêem-se erros inadmíssiveis: 1- Na Av. 25 de Abril e Av. D. Afonso Henriques, após terminar calcetamento de passeios, fazem-se escavações para enterrar os contentores do lixo, em locais onde há 3-4 meses foram colocados novos cabos ou condutas.
2- Peões e automobilistas, nas deslocações e acessos, defrontam-se permanentemente com obstáculos físicos e orográficos, deficientes sinalizações e dificuldades inesperadas.
3- São inúmeras as pessoas, sobretudo idosos que já caíram devido às obras e com fracturas ósseas em consequência das quedas.
4- São conhecidos casos de idosos que ficaram incapacitados de sair de casa devido a quedas nos passeios e ruas em obra e de outros que vieram a falecer em consequência disso.
5- É conhecido pelo menos um caso de acidente mortal resultante de atropelamento em zona de obra.
6- Colisões entre viaturas e composições do MST também já se verificaram nas passagens de nível sem guarda e com deficiente sinalização.
7- Na Av. Bento Gonçalves (Centro Sul), os cidadãos têm de usar 7 ( SETE ) passadeiras de peões em carrossel e uma passagem de nível sem guarda e sem sinalização luminosa para atravessar de um lado para outro da mesma Avenida! A vida dos cidadãos corre perigo permanente no local. A situação põe a nu a irresponsabilidade, a falta de senso e a incompetência técnica usada na elaboração do Plano de Mobilidade e Acessibilidades do município.
8- Os cortes no abastecimento de água, de gás e fornecimento de TV por cabo, têm vindo a acontecer com uma frequência anormal. A falta de iluminação pública em condições, é outro problema. Alguns locais ficam às escuras durante dias e semanas, aumentado a insegurança de pessoas e bens.
9- Calçadas acabadas recentemente já precisam de rectificação do piso.
10- Zonas verdes transformam-se em locais de mato e árvores plantadas perecem por falta de manutenção.
11- Com frequência vemos viaturas de bombeiros a utilizar faixas de rodagem de sentido contrário ou galgarem o “espaço canal” do metro, devido à crónica e abundante miopia municipal que estreitou as vias de circulação, impossibilitando ultrapassagens.
12- Na Ramalha, a CMA destruiu duas ruas e alterou anormalmente a R. Cidade de Ostrava que fica com acentuado declive para adaptar o terreno à passagem do MST em plano horizontal.
Esta situação constituirá um monumento camarário ao ridículo urbano, à incompetência técnica, ao autismo e arrogância da Câmara de Almada.
13 – Os abusos da ECALMA a bloquear viaturas e multar automobilistas, sem a Câmara ter construído previamente parques de estacionamento, são a glorificação de uma ofensiva desencadeada pela CMA aos parcos rendimentos dos cidadãos. São treze significativos reparos numa obra, que vai marcar Almada no lado negativo, não “no lado certo”. A obra em si, tem sido justificação irresponsável de umas quantas personalidades, que vão permitindo gastos avultados tão necessários em áreas da saúde, educação e assistência social, num país que se encontra em muitos aspectos de desenvolvimento sócio-económico e do bem-estar da população, na cauda dos países da União Europeia. A anulação da consciência individual crítica dos almadenses ao MST, tem sido um longo combate travado pela presidente e autarcas-governantes do concelho por meio de: - acções de propaganda, gastando dinheiro dos munícipes, - recurso a apoiantes partidários em acções intimidatórias para desmotivar os cidadãos de manifestarem opiniões desfavoráveis ao executivo municipal, -tentativa sistemática de procurar controlar notícias desfavoráveis nos órgãos de comunicação social. A CMA não gosta que os almadenses vejam para lá da neblina que ela própria cria e vejam claro ou lancem um olhar para trás do cenário que regularmente vai montando pelo concelho para nos enganar.
«Bons e esclarecidos cidadãos são aqueles que apoiam e elogiam a CMA». A população “come gato por lebre”, enquanto autarcas se deliciam com “filé mignon” de baixo do impermeável de disfarçada democracia." POliS

12 comentários:

Anónimo disse...

A obra emblemática da Câmara está cheia de buracos.

Anónimo disse...

Este texto devia ser enviado para os orgãos de Comunicação Social. Penso que é a única forma de fazer oposição.

Em Espinho o metro de superficie vai ser "enterrado". Vai deixar de dividir a cidade. Em Almada a cidade está a ser dividida ao meio e daqui a uns anos vai percerber-se que esta obra não tinha razão de ser.

O que acontece em Espinho devia servir de exemplo para que em Almada não se cometesse o mesmo erro.

Moradora Almada

caparicano disse...

Esta ideia de introduzir um eléctrico tipo tram dos países europeus no centro do eixo viário de Almada, é uma ideia, da Câmara Municipal ou da presidente ou de ambos, mutilante para Almada.
Não se ganha nada, perde-se muito do que este meio de transporte tem de benéfico nas cidades europeias.

Anónimo disse...

O verniz anda mesmo a estalar e está quase no auge.
Internamente, a bagunça mostra as suas garras.

Luis Eme disse...

tudo pontos muito bem assinalados.

já para não falar da obrigatoriedade de quem circula de carro, ter de ir a Cacilhas, para mudar de direcção, já que a rotunda da Gil Vicente deixou de existir, provisoriamente, há já mais de uma semana...

Anónimo disse...

Já todos percebemos porque é que o comboio não circula em Almada a nivel do subsolo.
Se a nivel do solo é esta bagunça, imaginem o que seria com a construção dum túnel.
Eles afinal só estão a defender a saude dos trabalhadores e da população...
São todos bons rapazes.......

EMALMADA disse...

primeiro anónimo
Para lá dos buracos da obra, aqueles que a CMA vai fazendo em Almada deixa os almadenses preocupados quanto ao futuro do concelho.

EMALMADA disse...

segundo anónimo
A comunicação Social conhece a situação de Almada, mas a CMA vai controlando as notícias.
Quando saem vêm distorcidas ou com propósito de desviar atenções.
Não se esqueça que a CMA é "accionista" de alguns importantes órgãos. Lembre-se dos anúncios "bonitos" de Almada nas TVs.
Por que o MST de 390 milhões não é criticado na comunicação social?

EMALMADA disse...

caparicano
o que poderia ser muito bom para Almada com um bom projecto, está transformado num sorvedor crónico de dinheiros públicos, com a complacência de certas pessoas.

EMALMADA disse...

terceiro anónimo
as garras sempre existiram na cãmara e seus boys. Estão a deixar cair as pantufas.

EMALMADA disse...

luis eme
São alguns pontos negros da obra/CMA.
Outros mais negros existirão e nós não nos apercebemos, mas também de efeitos muito negativos para Almada

EMALMADA disse...

quarto anónimo
O custo para enterrar o MST já está muito ultrapassado pelos adicionais.
A presidente quis o MST à superfície para exibir a sua obra saloia.
Saiu-lhe o tiro pela culatra, mas são os contribuintes que pagam a elevada conta e Almada e almadenses a sofrerem na pele as consequências do delírio.