quarta-feira, junho 16, 2010

"poesia" barata

Em...Almada, na designada Agenda, deparamos com esta obra sociocultural poética, sem escrever poesia.
clique no doc. para aumentar e ler
É o triste humor negro - moeda corrente matoso - "déjà vue" da CMA , provocador de náuseas ao cidadão comum, diante da decadência de Almada que os almadenses constatam dia após dia.

9 comentários:

Anónimo disse...

A festa eso para eles.

Ricardo Lopes disse...

Não se vê qualquer imagem.

Mário disse...

Festa da Vida em Almada.
O que é isso?

Al-Ma'dan disse...

Com festas e bolos e poesia bacoca se enganam os tolos, que em Almada, existem às resmas !

João disse...

Só se pode tecer um comentáio: Ahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahah...palhaços! O povo dorme acordado...

Anónimo disse...

Matos, va p´ro carrilhão.

Anónimo disse...

É o que dá ter ao dispor um espaço numa publicação que devería ser de todos os almadenses. Usa-se e abusa-se.
Faz lembrar o Alberto João que utiliza a seu bel-prazer a comunicação social da madeira como se fosse propriedade sua.
O poder corrompe e o poder absoluto corrompe muito mais.
Oliveira

Anónimo disse...

Este Matos é a pior nódoa que existe em almada. Ainda por cima é amarelo ou seja independente. então os comunas não se manifestam. a criatura que nunca foi comunista só tem paleio barato e senil. Vá para casa com a reforma de 3500 euros que vai auferir provavelmente.só ficou na lista dos comunas, porque a tia imilia assim impôs. e os comunas como querem estar agarrados ao poder até aceitavam o salazar ou um agente da legião portuguesa

Anónimo disse...

este matos é o ché ché que os comunas tanto gostam.e é este cromo vereador da cultura de almada. baba-se junto das mulheres e das professoras. é um verdadeiro cromo